colloidal silver

TRATANDO CANDIDIASE DE REPETIÇÃO COM A PRATA COLOIDAL

Postado em

A candidíase é uma infecção ginecológica causada pelo fungo da cândida, geralmente cândida albicans, mas algumas vezes pode ocorrer de outras espécies não albicans como: glabrata, tropicalis, krusei, parapsilosis e saccharomyces cerevisae. Para saber qual espécie afetou você e fazer o tratamento medicamentoso correto junto ao seu médico, você precisa fazer um exame para identificar o tipo de fungos. 

Também pode causar infecção na pele, unhas, garganta, intestino, boca e corrente sanguínea. Mas fiquem tranquilas porque, quando isso acontece, a candidíase já acometeu aquele local em específico. A cândida que você pode ter na genital não irá se espalhar para esses lugares. 

A cândida causa Coceira, Dor na região, Vermelhidão, Corrimento vaginal branco e espesso, algumas vezes semelhante à nata. 

TIPOS 

Candidíase vaginal. … 

Candidíase masculina (balanopostite) 

Candidíase oral. … 

Candidíase de esôfago. … 

Candidíase na pele (Intertrigo) 

Candidíase invasiva. 

Dentre inúmeras causas temos: 

– Falta de higiene 

– Limpeza incorreta após defecar 

– Queda imunológica 

– Uso de hormônios e antibióticos que fazem cair a imunidade 

– Alteração de PH vaginal por conta de stress, alimentação e medicação. 

– Contaminação por relação sexual ou alteração de PH. 

– Deficiências minerais e vitamínicas que fazer o sistema imunológico cair. 

Sabemos que tem haver com o PH vaginal e imunidade de cada mulher, mas o que afeta o PH vaginal e a imunidade? Por trás de toda a fisiologia humana, existem comportamentos, pensamentos e hábitos que interferem. 

Tem sido cada vez mais comprovado que o estresse é o causador de muitas doenças. Todas as outras emoções também têm igual importância para o desenvolvimento de enfermidades, disfunções ou manifestações sintomáticas no corpo. 

No caso da candidíase, as emoções que podem ocasionar a infecção são: 

– Sensação de dispersão, frustração e/ou raiva; 

– Se sentir obrigada a ter que estar em alguma posição que não gostaria, como em um emprego que tem suas vantagens e paga as contas, mas não te faz se sentir bem mais; 

– Exigências abusivas nas relações; 

– Desconfiança dentro do relacionamento; 

– Não se adaptar ao sexo da pessoa; 

– Sentir-se obrigada a ter relação sexual sem estar com vontade ou sentir vontade e não fazer; entre outros. 

Dessa forma, não basta usar a prata coloidal, é preciso ir mais além observando a alimentação, seus hábitos e emoções e tudo que pode causar queda imunológica e alteração do Ph da região vaginal, do contrário, nem a prata e nem Deus podem te ajudar se você não mudar. 

COMO USAR A PRATA 

INGERIR 

Prata de 20ppm : 15 ml dia para uma média de peso de 70 kilos, de 20 a 60 dias ou mais + mudança de hábitos. 

Pode fazer duchas vaginais com a prata de 100ppm uma vez ao dia em casos mais severos. 

Borrifar a prata de 100 ppm nas roupas intimas e deixar secar, também pode usar no enxague. 

ONDE COMPRAR
Caso deseje temos a prata individual e um kit: 

20 ppm: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1359962669-prata-coloidal-20-ppm-1l-naturals-pronta-ingerir-promoco-_JM?quantity=1&variation=460843569

100 ppm: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1359967694-prata-coloidal-naturals-brazil-100-ppm-1li-adaptar-a-dose-_JM?quantity=1&variation=46084481462

20 E 100 PPM: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1361062581-prata-coloidal-20-ppm-1l-1l-de-100ppm-naturals-brazil-_JM
LOJA:https://www.naturalsbrazil.com.br/prata-coloidal-1-litro 

Você tem direito a um frasco spray 30 ml spray, spray nasal ou gotas por litro. Só avisar que precisa para ser enviado, se caso não disser nada não será enviado.

PRATA COLOIDAL E CÂNCER

Postado em

Muitas pessoas estão usando a prata com a esperança de retroceder o câncer e outras vem a até nós para perguntar como usar.

É preciso esclarecer algumas coisas.

Há pesquisas enormes na Revista de Ciências Biológicas dos Estados Unidos, onde usando nano partículas de prata puras ou associadas a outras substâncias em testes em tumores, porém verifica-se que funciona em um ou outra inibindo as enzinas que fazem as células tumorais crescerem ou até atuando diretamente sobre elas.

Em alguma casos de câncer de próstata, de pele e de mama, em poucas células, pois há muito o que pesquisar sobre a prata coloidal e demais nano partículas metálicas.

Não há como fazer promessas de sucesso com base nessas pesquisas, pois cada pessoa é única e cada caso é um caso, porém sabe-se que ela atua bloqueando a multiplicação dos vírus, mata fungos e bactérias, inclusive várias super bactérias. Isso de fato ajudará muito, pois o paciente com câncer tem o sistema imunológico afetado profundamente, além do emocional que causa uma queda absurda da imunidade.

Também sabemos que alguns fatores como:

– Sangue ácido

– Metais pesados no sangue

– Fungos, vírus e bactérias.

– Vermes (parasitas em geral)

– Alimentação rica em gorduras saturadas, farinha de trigo branca e açucares.

– Deficiências minerais e vitamínicas, somadas, levam o individuo a ser um sério candidato a ter câncer.

Existe uma especialidade chamada Morfologia do Sangue vivo que pode curar ou dar qualidade de vida a pacientes terminais, onde faz-se uso da prata coloidal, suplementações e dieta adequada para eliminar “sujeira do sangue” e restaurar o equilíbrio do organismo.

Busque um profissional desse e consulte.

Com relação a prata, há uma reticência que se refere a dosagem:

TOMANDO A PRATA COLOIDAL EM ESTADOS GRAVES

Deve-se iniciar com doses baixas de 1 ml e ir aumentando a cada 3 ou 5 dias de Prata coloidal de 20 ppm. Por quê?

Como o paciente costuma estar com um ou mais patógenos, pode ocorrer a reação de Jarisch Herxheimer, que é uma reação parecida com uma alergia severa causa pelas toxinas que as bactérias eliminam, principalmente mortas e que satura a corrente sanguínea, o fígado e os rins que não conseguem eliminar tantos patógenos mortos de uma vez. Assim, sempre, em casos graves de câncer ou qualquer doença, inicie com doses baixas e vá aumento até no máximo 25 m dia.

Procure ingerir bastante água e probióticos.

Demais orientações somente com o médico de sua confiança ou morfologista do sangue vivo.

Dessa forma, esteja ciente que ajudará sim, se bem usada, porém há inúmeros fatores a serem observados, devido a gravidade da doença.

Devemos ser honestos com quem sofre de mentiras o mundo já está saturado.

Qualquer dúvida, estamos a disposição.

Naturals Brazil

COMBATENDO MOFO E BOLOR COM A PRATA COLOIDAL

Postado em

Sabemos do poder da prata em geral e suas diversas partículas contra fungos e bactérias.

Porém você sabia que pode usar na limpeza da sua casa, principalmente em áreas com Mofo, limpando ou pulverizando? Gradativamente essas áreas vão tendo os fungos eliminados.

Diferente do que a maioria pensa, o mofo e o bolor não são exatamente a mesma coisa. Os dois são causados por fungos, mas enquanto o bolor apenas infecta os objetos, o mofo corrói o material afetado. O primeiro, em relevo, fica em tonalidade acinzentada e pode ser facilmente removido com pano úmido. Já o segundo deixa pontos pretos mais difíceis de serem retirados, principalmente em objetos fibrosos e tecidos.

A prata coloidal ideal para limpeza desse tipo, eliminação e prevenção é a de 100ppm.

Lembre-se que se houver infiltração, vazamentos, excessos de umidade, a causa deve ser sanada.

A prata coloidal mata os fungos da seguinte madeira:

a) Devido à liberação do íon prata na água ou no ar ambiente úmido, ocorre a ação catalítica deste íon destruindo a membrana plasmática das células das bactérias e dos fungos, pela diferença de potencial (eletropotência) entre a parte interna e externa das células.

b) Outra ação do íon prata, no ambiente úmido (água ou ar), está em penetrar na membrana plasmática da célula bacteriana ou do fungo, destruindo seu citoplasma.

O mesmo processo acontece com fungos conforme mostra em estudos interferindo na reprodução assexuada dos fungos.

Para eliminação total o tempo de contato cm a prata varia de 5 minutos a 30 minutos  dos patógenos expostos à prata coloidal.

COMO USAR A PRATA COLOIDAL PARA ELIMINAR MOFO ( FUNGOS NO AMBIENTE)

– Use prata de 100ppm liquida

– Coloque num borrifador ela pura e pulverize nas áreas afetadas, podendo ter feito uma limpeza no local antes.

– Em caso de infiltração, fonte de umidade, cuidar da causa, pois sabemos que muitos fungos chegam a penetrar até mesmo no concreto.

– Se for para manutenção de algum local, parede, móvel, você pode diluir a prata de 100 ppm em água de chuva ou água filtrada sem cloro, pois é uso externo, num proporção de 50% prata e 50% água.

COMO USAR PARA HIGIENIZAÇÃO DA CASA APÓS LIMPEZA, ENTRE OUTROS

– Sempre para uso externo a Prata Coloidal deve ser de 100ppm

– Spray de prata coloidal sobre e sob pias, armários, ou outros lugares úmidos para ajudar a prevenir e eliminar fungos e mofo.

– Spray de prata coloidal na roupa sazonal antes do armazenamento para eliminar o odor e bolor.

– Spray de prata coloidal no carro para eliminar odores.

– Use a prata coloidal rotineiramente em sua água de lavanderia de lavagem final, para desinfetar, e para adicionar proteção antimicrobiana de lençóis, fronhas, toalhas, panos de prato, fraldas, etc.

– Borrifar, tapetes, edredons cobertores, mantas, travesseiros, colchões, carpetes, cortinas, deixe secar, para fazer controle de ácaros e eliminar fungos.

– Spray de prata coloidal em roupas de caça, antes de uma viagem, para ajudar a eliminar o cheiro humano.

– Prata coloidal Spray em tigelas de alimentos secos para animais (especialmente no exterior) para ajudar a impedi-lo de moldagem em climas úmidos.

– Spray de prata coloidal no interior da geladeira, e nas caixas de armazenamento de alimentos, para evitar a propagação de fungos e bactérias.

– Spray de prata coloidal para cama para animais de estimação e permitir que o ar seco, a fim de impedir a propagação de fungos, mofo e germes.

– Spray de prata coloidal em torno da banheira, de higiene e boxe para evitar germes e evita mofo de crescer.

– Use a prata coloidal na banheira de hidromassagem no lugar de produtos químicos como cloro ou bromo (1 quarto por semana durante os períodos de uso pesado, ou 1 quarto por duas semanas, durante os períodos de baixo uso).

– Spray de prata coloidal em cima de frascos abertos de potes de doce, geleia e condimentos, bem como no interior das pálpebras antes de substituir, a fim de evitar o crescimento de bactérias no alimento que fica preso ao redor dos topos de contêineres.

– Spray de prata coloidal para filtros de ar condicionado após a limpeza, a fim de ajudar a desinfetar e matar patogênicos transportados sobre elas pelo fluxo de ar.

– Spray de prata coloidal para pendurar toalhas de banho, panos de lavagem e panos de prato e toalhas de secagem para ajudar a prevenir a acidificação e bolor.

– Spray de prata coloidal em dutos de casa e escritório de ar e aberturas para evitar que se tornem locais de reprodução para germes, fungos e mofo.

– Spray de prata coloidal em tapetes, cortinas e papel de parede para evitar mofo e bolor e eliminar ovos dos ácaros.

– Adicionar prata coloidal para beber água quando viajar ou acampar desinfetá-lo e mantê-lo fresco e puro, mais tempo.

– Spray de prata coloidal em recém-comprado (ou escolhido) frutas e legumes depois de lavá-los, para evitar o crescimento microbiano e mantê-los frescos por mais tempo.

– Leve um pequeno frasco de spray de prata coloidal em sua bolsa quando for  às compras, assim você pode pulverizar carrinho de compras antes de usar.

– Higienizar locais com queimaduras, acelerando a cicatrização e evitando infecção.

– Spray de prata coloidal em sua escova de dente depois de cada uso, para ajudar a desinfetá-lo e evitar o crescimento de germes.

– Pulverizar no box do banheiro após limpeza para evitar proliferação de mofo.

– Levar um frasquinho spray na bolsa de prata liquida ou gel de prata para higienizar as mãos.

Naturals Brazil

PRATA COM BORRIFADOR: https://www.naturalsbrazil.com.br/product-page/c%C3%B3pia-de-prata-coloidal-100-ppm-1l-naturals-adequar-a-dose-para-20ppm

PRATA 100PPM: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1111083005-prata-coloidal-naturals-brazil-100-ppm-1li-adaptar-a-dose-_JM

PRATA COLOIDAL MATA TOXOPLASMA GONDII VIA MUDANÇAS DE STATUS DE REDOX E POTENCIAL DE MEMBRANA MITOCONDRIAL DO PARASITA.

Postado em Atualizado em

 
 

Para quem não sabe, a Prata Coloidal não mata vermes adultos, ele atua nas membranas que revestem os ovos ou óvulos dos parasitas, como vermes, sarna, carrapato, pulgas, ácaros, etc ou adentra essas estruturas causando colapso nos mesmos. Assim, não havendo ovos, não há reprodução e o parasita adulto, tende a morrer no tempo determinado de vida dele, caso a pessoa não tome anti parasitário.

Essa pesquisa mostra a atuação das nano partículas de prata sobre o Toxoplasma, lembrando que mulheres grávidas e amamentando não devem tomar a prata, pois como vimos em outra publicação a prata acumula no feto ou bebê cerca de 2000 vezes o valor ingerido pela mãe.

ESTUDO

Este estudo avaliou o potencial anti- Toxoplasma gondii de nanopartículas de ouro, prata e platina (NPs). NPs inorgânicos (0,01-1,000 µg / mL) foram selecionados para atividade antiparasitária. Os NPs causaram> 90% de inibição do crescimento de T. gondii com valores de CE50 de ≤7, ≤1 e ≤100 µg / mL para NPs de ouro, prata e platina, respectivamente.

As NPs não mostraram citotoxicidade da célula hospedeira nas concentrações efetivas de anti- T. gondii ; o índice de seletividade estimado revelou uma atividade ≥20 vezes em relação ao parasita versus a célula hospedeira.

A atividade anti- T. gondii das NPs, que pode estar ligada à sinalização redox, afetou o potencial de membrana mitocondrial do parasita e a invasão, replicação, recuperação e potencial de infectividade do parasita. Nossos resultados demonstraram o potencial antiparasitário das NPs. Os resultados apoiam a exploração adicional de NPs como uma possível fonte de agentes anti- T. gondii alternativos e eficazes.

INTRODUÇÃO

O Toxoplasma gondii é um parasita intracelular pertencente à família Apicomplexa. 1 T. gondii é o agente causador da toxoplasmose, que é uma das doenças parasitárias mais comuns. 2 A toxoplasmose é comum porque o parasita tem baixa especificidade do hospedeiro e, portanto, pode infectar uma série de hospedeiros, incluindo quase um terço da população humana. 3 A infecção por toxoplasma pode ser assintomática em indivíduos saudáveis, mas fatal em grávidas ou indivíduos imunocomprometidos; tem sido associado ao aborto, anormalidades fetais e encefalite nesses indivíduos. 4 Em indivíduos saudáveis infectados com Toxoplasma , a multiplicação dos parasitas é tratada pelo sistema imunológico e pelas drogas administradas, mas os cistos permanecem em todos os tecidos infectados, incluindo o cérebro, servindo, assim, como fonte de exacerbações. Portanto, o tratamento eficiente de todas as células infectadas para prevenir a formação de cistos é imperativo.

As opções atuais de tratamento para pacientes com toxoplasmose são limitadas. Eles incluem o uso de drogas antimaláricas ou antibióticos, que muitas vezes causam efeitos colaterais significativos, incluindo a supressão da medula óssea e erupções cutâneas. 4 A terapia atual para toxoplasmose suprime a infecção ativa, mas não cura a infecção latente e é mal tolerada. Sem tratamento supressivo prolongado, até 80% dos casos recidivam e 20% -30% dos pacientes em recaída da terapia supressora. Os efeitos colaterais dos medicamentos levaram à descontinuação da terapia em até 40% dos pacientes. 3 , 5 Consequentemente, a toxoplasmose representa um grande ônus global que é ainda mais acentuado pelas deficiências das opções terapêuticas atuais. Esses fatores ressaltam a necessidade urgente de melhores drogas anti- Toxoplasma e / ou novas abordagens no tratamento da toxoplasmose. Um medicamento anti- Toxoplasma ideal seria potente, não tóxico e capaz de eliminar a infecção latente.

Há um interesse crescente em implantar a nanotecnologia para fins biomédicos, 6 e alguns relatórios sugerem que as nanopartículas (NPs) poderiam formar a maior parte das futuras estratégias de tratamento para várias doenças. 7 , 8 NPs já estão sendo explorados para aplicações biomédicas, devido ao seu tamanho em nanoescala e outras propriedades notáveis, incluindo reatividade de superfície. 9 Essas partículas podem produzir espécies reativas de oxigênio (ROS) que têm a capacidade de matar agentes infecciosos. 10 , 11 Além disso, o pequeno tamanho das NPs permite que elas atravessem barreiras de membrana, levando a uma maior reatividade. 12 Além disso, os NPs podem ser acumulados em tecidos, 13 apresentando, portanto, uma plataforma formidável para atingir os cistos de T. gondii nos tecidos do hospedeiro. De especial interesse são as NPs metálicas, como ouro e prata, que possuem atividade antimicrobiana, 14 , 15 atividade antiparasitária, 16 , 17 e outras bioatividades, incluindo a inibição seletiva de algumas atividades enzimáticas. 9 , 18 – 21 A versatilidade dos NPs metálicos 10 os torna uma opção atraente a ser mais explorada como agentes antiparasitários, particularmente contra a toxoplasmose. Aqui, nós exploramos o potencial de NPs metálicas como novos agentes anti- T. gondii usando modelos de infecção experimental in vitro.

ESTUDO COMPLETO
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5339004/

CONCLUSÃO

Nossos resultados identificam AuNPs, AgNPs e PtNPs como candidatos promissores anti- T. gondii . Para nosso conhecimento, esta é a primeira evidência da atividade anti- T. gondii por AuNPs (Partículas de Ouro), AgNPs (Partículas de prata) e PtNPs.

Além disso, a ação antiparasitária destes NPs poderia estar ligada, em parte, ao status redox alterado através da produção de ROS. Esses novos resultados se somam ao crescente corpo de dados que apoiam a necessidade de explorar o potencial dos PNs dentro da comunidade nano médica. Investigações adicionais, incluindo avaliação in vivo, bem como avaliações do potencial anti- T. gondii de NPs modificados na superfície, estão em andamento com vistas a desenvolver uma nova e efetiva estratégia de tratamento para toxoplasmose aguda e / ou latente.

PRATA MATA BACTÉRIAS?

Postado em

SIM !!!!

 Como?

 Então vamos entender como acontece, ok?

Vulgarmente falando ou de modo simplificado diz-se que a prata mata as bactérias por asfixia. na verdade, é um processo um pouco mais complexo, onde a prata mata a bactéria por oxidação.

Vamos primeiro entender o que é uma bactéria.

 Bactéria

Bactéria (do grego βακτηριον, bakterion: bastão) é um domínio de micro-organismos unicelulares, procariontes (desprovidos de envoltório nuclear e organelas membranosas), antes também chamados Schizomycetes, pertencentes ao Reino Monera.

As bactérias são geralmente microscópicas ou submicroscópicas (detectáveis apenas com uso de um microscópio eletrônico). Suas dimensões geralmente não excedem poucos micrômetros, podendo variar entre cerca de 0,2 µm, nos micoplasmas, até 30 µm, em algumas espiroquetas. Exceções são as bactérias Epulopiscium fishelsoni isoladas no tubo digestivo de um peixe, com um comprimento compreendido em 0,2 e 0,7 mm e Thiomargarita namibiensis, isolada de sedimentos oceânicos, que atinge até 0,75 mm de comprimento.

Segundo o sistema taxonômico proposto por Robert Whittaker em 1969, constituíam o reino Moneras, juntamente com as chamadas “algas azuis” ou “cianofíceas” – hoje mais corretamente chamadas cianobactérias, .

A classificação (2003) proposta por Thomas Cavalier-Smith reconhece dois domínios:

Prokaryota, compreendendo Archaea e Bacteria;

Eukaryota, que inclui todos os demais organismos, tanto unicelulares quanto pluricelulares.

As bactérias podem ser encontradas na forma isolada ou em colônias. Podem viver na presença de ar (aeróbias), na ausência de ar (anaeróbias) ou, ainda, ser anaeróbias facultativas. Estão entre os organismos mais antigos, com evidência encontrada em rochas de 3,8 bilhões de anos.

Bactérias são os organismos mais bem sucedidos do planeta em relação ao número de indivíduos. A quantidade de bactérias no intestino de uma pessoa é superior ao número total de células humanas no corpo dela, por exemplo.

 Prata ionizada é a eficaz contra as bactérias

A prata é tida como um metal de transição na literatura química, juntamente com o cobre e ouro. Eles são metais que são mais pesados ​​do que a vida dando metais leves, tais como sódio, cálcio, potássio e, ainda mais leve do que os metais pesados ​​tóxicos, como o chumbo, arsênio e mercúrio. Ouro e prata são considerados metais nobres porque tendem a não reagir facilmente para formar compostos. Os metais de transição são conhecidos pelas suas propriedades catalíticas.

Apesar de prata iônico (tal como qualquer composto de prata dissolvido em água) tem muito pouco ou nenhum efeito catalítico, e prata macroscópica tem pouco efeito. Entretanto, a prata muito pó fino torna-se um excelente catalisador de oxidação. Começando com prata atômica ou iônica, os efeitos catalíticos aumentam com o tamanho de partícula até atingir um pico em algum valor, em seguida, cai para um nível muito mais baixo quando as partículas se aproximam do comprimento de onda da luz.

Isso é fácil de explicar, examinando como um catalisador funciona. Cada átomo de prata carregado positivamente irá atrair um átomo ou molécula carregada negativamente. Uma vez que eles tocam, a carga é neutralizada. Se tiver mais do que um átomo carregado positivamente de prata numa partícula, então cada um pode atrair um átomo ou partícula carregada negativamente. Se um grupo de átomos de prata se liga com duas partículas carregadas negativamente, tais como o oxigênio e algo mais, estas duas partículas deixarão eletrostaticamente, repelem-se mutuamente, mas serão trazidos em conjunto e reagem, oxidando a partícula.

Quanto maior for a partícula, os átomos de prata carregados mais positivamente podem atrair oxigênio e outras partículas carregadas negativamente para a superfície. No entanto, se o tamanho de partícula se torna muito grande, então a quantidade de prata escondida no centro da partícula significará que o aumento na massa, que sobe com o cubo do diâmetro, está a aumentar mais rapidamente do que as áreas de superfície ativos, que sobe na praça do diâmetro. O efeito catalítico picos assim em algum tamanho das partículas e diminui em relação à quantidade de prata se o tamanho é aumentado ainda mais.

As bactérias vêm em duas formas – anaeróbio e aeróbio.

No início deste século, foi descoberto pelo Dr. Gram que ele poderia manchar bactérias com uma coloração de Gram especialmente preparado, e que, em boas bactérias gerais manchados, mas as bactérias patogênicas não mancha. Foi descoberto mais tarde que as bactérias patogênicas são carregadas negativamente. As bactérias patogênicas são anaeróbias, e se oxidada vai morrer. Assim, para prevenir a oxidação, elas possuem uma enzima especifica para repelir o oxigênio carregado negativamente. Se esta enzima é desativada de modo a que eles perdem esta capacidade de carregar negativamente, ou, se o oxigênio é fornecido sob uma forma tal que é reativo a agentes patogênicos carregados negativamente, tais como água de ozono ou peróxido de hidrogênio, as bactérias irão se oxidar e a reação é, em última instância letal para o agente patogênico.

Segue-se então que as bactérias carregadas negativamente, e de oxigênio carregados negativamente, ambos serão atraídas e se ligarão com partículas de prata. Uma vez que a carga negativa é neutralizada através de uma transferência de elétrons com a partícula de prata cada agora pode facilmente se combinar com o outro, e vai fazê-lo, a oxidação do agente patogênico e destruí-lo.

Especificamente, foi determinado que com as bactérias anaeróbias e vírus de oxigênio reagem com os grupos sulfidrilo (-SH) em torno da superfície e remove o átomo de hidrogênio (convertendo-o em água), de modo que os átomos de enxofre formam uma ligação -RSSR. Isto interfere com proteínas de transporte ou membrana do organismo e vão desativá-los. (5)

Não só, ela pode resultar na oxidação catalítica das bactérias ou outros agentes patogênicos, mas uma vez que quase todos os patógenos são negativamente carregados e a prata é carregada positivamente, a prata e o patógeno são atraídos um pelo outro através de uma atração estática causando interações muito mais rápidas e, distâncias muito maiores do que seria esperado por pura chance de colisão.

No entanto “bactérias aeróbias, aqueles que usam o oxigênio na respiração, não carregam uma carga negativa. Isso permite que as bactérias boas atraim o oxigênio de que necessitam para respirar. Seria de se esperar que as bactérias aeróbias não fossem mortas pela prata.

No entanto, exames realizados na Universidade de Tennessee sob os nossos sentidos mostrou que a prata coloidal também é bastante eficaz em matar bactérias aeróbias. O método pelo qual as bactérias aeróbias são mortos ainda está sob investigação.

Foi previamente pensado que a razão que a prata coloidal não afeta as boas bactérias no intestino foi porque ela não matou bactérias boas. Nós provamos que isso é falso. Outras investigações indicam que a prata coloidal é incapaz de se mover e interagir com as bactérias quando em um gel ou matriz sólida.

Isto em conjunto com o fato de que a maioria, se não todos da prata, quando o tamanho da partícula é correto, vai ser absorvido através da mucosa do estômago e para a corrente sanguínea, provavelmente contas para a falta de matar as bactérias boas no intestino.

Importância do Tamanho da partículas

Deve ficar claro agora por coloides de prata são extremamente eficazes na destruição de bactérias patogênicas, mas não afetam as boas bactérias no intestino ou células de mamíferos. No entanto, os relatórios sobre a eficácia de coloides de prata, quando comparado com antibióticos normais, ainda parecem pôr em causa por que a prata é muito mais eficaz, muitas vezes perspectiva de cura em horas, quando poderosos antibióticos pode levar dias ou semanas.

Por  isso a importância de se usar a amperagem correta na produção da prata, para se obter o tamanho correto de coloides para fins terapêuticos.

Há uma série de razões pelas quais a  prata parece ter muito mais eficácia do que os antibióticos normais.

Aqui estão algumas delas:

  1. Prata coloidal é carregado positivamente; a maioria dos antibióticos não carregam uma forte carga positiva. Isso faz com que a prata para buscar praticamente fora e destruir os agentes patogênicos, em vez de simplesmente ter que se deslocar até acontecer de chocar-se com outro. Este efeito é muito apropriadamente referido como o “Silver Bullet” efeito por Beck.

2 Prata mata imediatamente por oxidação do agente patogênico. Os antibióticos não afetam vírus em tudo, e para as bactérias só vai matar as bactérias quando se tenta dividir (tipo penicilina, antibióticos) ou que possa impedir o patogeno da divisão (antibióticos do tipo tetraciclina). No primeiro caso, podem levar as bactérias vários dias antes de tentar dividir; e, no segundo caso, as bactérias não é morto de todo, mas apenas impedido de se replicar. Em ambos os casos, o sistema imunitário deve cuidar da maior parte ou de todos os agentes patogênicos.

Isso mostra que um sistema imunológico debilitado pode interferir na ação do antibiótico normal.

Com a prata, eles são simplesmente mortos imediatamente.

  1. A prata é um catalisador. Assim, logo que uma partícula de prata oxidou um agente patogênico, o patógenoperde a sua carga negativa e flutua para longe, e a prata é livre para atacar outro agente patogênico. O antibiótico geralmente liga-se com o agente patogênico e para cada fungo destruído, uma partícula ou molécula do antibiótico é usada acima.

O resultado é que a prata vai geralmente matar muito mais rápido do que um antibiótico. O lado negativo disso é que a alta e rápida taxa de matar pode resultar em reação ou cura crise de Herxheimer . O corpo simplesmente não tem tempo para eliminar a enorme quantidade de toxinas e patógenos mortos que pode resultar de água de prata.

Por isso a importância de uma alimentação alcalinizada e sadia e muito liquido.

Outras terapias que funcionam de forma semelhante, como a água ozonizada são relatadas por causar o mesmo problema. É altamente recomendável nunca dar inicialmente doses terapêuticas altas de prata coloidal para uma pessoa gravemente doente, mas para dar pequenas quantidades inicialmente e trabalhar até doses terapêuticas em um par de dias.Isso permite que a taxa de mortalidade de ser mantida onde o corpo pode eliminar os patógenos mortos e toxinas sem estresse. É claro, beber grandes quantidades de líquidos podem ajudar a eliminar as toxinas e deve ser incentivada.

Outros possíveis efeitos negativos

Como a maioria das pessoas sabe, a prata é usado como ingrediente foto-sensível em quase todos os processos fotográficos. Compostos de prata, quando exposto à luz, muitas vezes resulta na prata ser reduzida para prata atômica ou metálica. Então, na presença de um promotor, qualquer composto de prata que contactam com as partículas de prata também irá sofrer uma reação de redução, o alargamento da partícula de prata.

Enquanto este processo é essencial para a fotografia, que é indesejável na pele de uma pessoa. É considerado por muitos que o motivo que o royalty (reis e rainhas) há muito tempo eram chamados de sangue azul é porque a prata das taças e louças reagiriam com ácidos em suas bebidas e alimentos, então precipitar em sua pele, dando-lhes uma cor azulada.

Sabe-se que o consumo de compostos de prata, tal como nitrato de prata, seguido por exposição à luz solar pode resultar em um ou anilagem envelhecimento da pele, uma condição médica chamada argyria. Como se vê, uma série de produtos químicos que podem aparecer no sangue tornar os desenvolvedores bastante eficazes. A cafeína e taninos são apenas dois deles .

Por isso o FDA alerta em um de seus artigos que 905 dos caos de Argyria são provenientes da ingestão de nitrato de prata a e outros sais. As pessoas de forma irresponsável e sem orientação conhecimento fazem a prata achando ser coloidal, tomam em grandes quantidades durante muito tempo.

Felizmente, a prata coloidal, quando feita pelo processo eletrolítico em água destilada pura, sem quaisquer sais que está sendo adicionado, não produz compostos de prata. Assim, chapeamento de prata de prata coloidal não é possível; as partículas de prata já são reduzidas a prata pura, e são mutuamente repulsa, por causa de suas cargas positivas.

No entanto, se a prata coloidal é feita a partir de sais de prata por redução química, (como os produtos de nível elevado são ppm) vestígios de sais de prata pode permanecer.

Embora a prata metálica seja não-tóxica para os mamíferos, sais de prata são venenosas por causa dos catiões associados, e pode resultar em argyria , ou seja, outros compostos ou sais presentes na água..

Além disso, quando a prata coloidal é feita pelo processo eletrolítico e sal ou sal marinho é adicionado, sais de prata vão ser produzidos, bem. Apesar de, em caso de emergência, seria sábio fazer sua própria água de prata com técnicas previamente dadas pelo Dr. Beck, para uso a longo prazo todos exposição a sais de prata deve ser evitada. Deve-se usar apenas água destilada pura e a prata, compostos de sais aditivados deve-se ser usado somente por pessoas conhecedoras do processo e profissionais habilitados.

O uso de sal de cozinha (cloreto de sódio) irá produzir algum cloreto de prata. Isto é indesejável, e embora a quantidade de cloreto de prata é limitada por esta solubilidade em água fria a 89 PPM (6), isto é ainda uma quantidade significativa de composto de prata comapared com o montante na própria coloide (5 a 10 ppm).

O uso do sal do mar que muitas pessoas recomendam é especialmente preocupante. O sal marinho contém muitos compostos, incluindo vários nitratos e flúor. Muitos dos compostos podem combinar-se com prata para produzir compostos de prata. Especificamente prata pode combinar com nitratos formando um sal de nitrato de prata altamente solúvel e tóxico e com fluoreto de produzir fluoreto de prata altamente solúvel e tóxico. Nitratos com sal marinho pode chegar ao máximo de 20 ppm, e fluoretos são tipicamente 40 ppm (7).

Por conseguinte, a prata coloidal deve ser feita com água destilada pura para evitar a formação de quaisquer compostos de prata tóxicos. Se se deve utilizar um agente acelerador, em seguida, adicionando uma pequena quantidade de prata coloidal previamente produzido é recomendado, sobre a adição de qualquer tipo de sal.

Eficácia versus tamanho de partícula

Várias publicações indicam que para a absorção através da parede do estômago, as partículas devem ser 0,015 micron (15 nm) ou menor. Tradicionalmente, o tamanho de partícula foi determinado por microscopia electrônica. Esta técnica é bastante lento e tedioso, resultando num processo que é tanto lenta e imprecisa. A banda de absorção de coloides de prata aumenta em comprimento de onda, como o tamanho das partículas aumenta. Isto permite uma medição qualitativa sobre as dimensões das partículas em um coloide por utilização de um photospectrometer digitalização. Prata iônico tem uma banda de absorção no UV, e portanto, é praticamente claro. À medida que mais átomos de agregar em uma partícula, a banda de absorção se move da uv para o violeta, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.

Uma vez que a cor de uma substância é o complemento da cor absorvida, a prata coloidal vai passar de claro a muito leve amarelo, ouro, alaranjado, vermelho, azul e verde. (CC) p 65. Os coloides que contêm uma vasta gama de tamanhos podem absorver comprimentos de onda no espectro resultante em castanho e preto. É geralmente aceite que apenas clara de coloides de prata luz ouro possua partículas de tamanho suficientemente pequeno para serem eficazes, e para ser capaz de atingir a corrente sanguínea.

É nesse processo que as bactérias são mortas pela prata ionizada, carregada positivamente pela eletricidade e todos esses detalhes que passam desapercebidos de todos na produção da prata coloidal com água pura e destilada, que muitos não gostam , mas é assim que deve ser, pela configuração da fonte relativo a amperagem para que se possa produzir partículas de tamanho adequado para serem absorvidas para a corrente sanguínea sem danificar as bactérias intestinais, sobre a dosagem e o início do tratamento para que o organismo não se sature de patogênicos mortos, enfim, detalhes importantes que ninguém da importância e nós tentamos chamar sua atenção para eles.

Por isso seja responsável ao fazer e ao usar, pergunte, estude e leia muito.

Fontes:

– http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/35324/geral/terapia-com-prata-torna-bacterias-mil-vezes-mais-sensiveis-a-antibioticos

–  http://news.rice.edu/2012/07/11/ions-not-particles-make-silver-toxic-to-bacteria-3/

– http://www.tetrahedron.org/articles/colloidal_silver/Colloidal_Silver_Research.html

– http://tudosobrebacterias.blogspot.com.br/

Usos para a prata que talvez você nunca imaginou

Postado em

Vai uma surpresa de uso racional da prata que você talvez nem imagine:

  • Spray de prata coloidal em poças de água parada no quintal, a fim de parar mosquito larva de eclosão.
  • Adicionar prata coloidal para sucos e leite para prolongar vida útil e ajudar a evitar a deterioração precoce, fermentação, deteriorando, clabbering ou gelar. ( 1 a 5ml a 20 ppm em um litro)
  • Adicionar prata coloidal para reservatórios de tanques de água engarrafada, para evitar algas e crescimento bacteriano.
  • Adicionar prata coloidal para shampoos, loções e cremes para dar-lhes qualidades desinfetantes e antimicrobianos. (desde que sejam fórmulas naturais e/ou artesanais e não industrializadas, pois pode haver alteração na química do produto)
  •  Spray de prata coloidal em suas axilas como um substituto dos desodorantes comerciais que são tóxicos e causam várias doenças.
  • Spray de prata coloidal sob pias, armários, ou outros lugares úmidos para ajudar a prevenir e eliminar fungos e mofo.
  • Spray de prata coloidal na roupa sazonal antes do armazenamento para eliminar o odor e bolor.
  • Spray de prata coloidal no carro para eliminar odores.
  • Use a prata coloidal em soluções de pic-água dentários para evitar o acúmulo de bactérias (e ajudar a parar de placa, para arrancar).
  • Use a prata coloidal rotineiramente em sua água de lavanderia de lavagem final, para desinfetar, e para adicionar proteção antimicrobiana de lençóis, fronhas, toalhas, panos de prato, fraldas, etc.
  • Spray de prata coloidal em roupas de caça, antes de uma viagem de caça, para ajudar a eliminar o cheiro humano.
  • Prata coloidal Spray em tigelas de alimentos secos para animais (especialmente no exterior) para ajudar a impedi-lo de moldagem em climas úmidos.
  • Spray de prata coloidal em plantas de casa ou plantas de jardim para ajudar a prevenir o crescimento de parasitas, fungos, bolores, e para ajudar a parar a podridão da raiz e a maioria das doenças de plantas.
  • Spray de prata coloidal no interior da geladeira, e nas caixas de armazenamento de alimentos, para evitar a propagação de fungos e bactérias.
  • Spray de prata coloidal para cama para animais de estimação e permitir que o ar seco, a fim de impedir a propagação de fungos, mofo e germes.
  • Spray de prata coloidal em torno da banheira, de higiene e boxe para evitar germes e evita mofo de crescer.
  • Use a prata coloidal na banheira de hidromassagem no lugar de produtos químicos como cloro ou bromo (1 quarto por semana durante os períodos de uso pesado, ou 1 quarto por duas semanas, durante os períodos de baixo uso).
  • Spray de prata coloidal em cima de frascos abertos de potes de doce, geléia e condimentos, bem como no interior das pálpebras antes de substituir, a fim de evitar o crescimento de bactérias no alimento que fica preso ao redor dos topos de contêineres.
  • Spray de prata coloidal para filtros de ar condicionado após a limpeza, a fim de ajudar a desinfetar e matar patogênicos transportados sobre elas pelo fluxo de ar.
  • Spray de prata coloidal para pendurar toalhas de banho, panos de lavagem e panos de prato e toalhas de secagem para ajudar a prevenir a acidificação e bolor.
  • Spray de prata coloidal em dutos de casa e escritório de ar e aberturas para evitar que se tornem locais de reprodução para germes, fungos e mofo.
  • Spray de prata coloidal em tapetes, cortinas e papel de parede para evitar mofo e bolor e eliminar ovos dos ácaros.
  • Adicionar prata coloidal para beber água quando viajar ou acampar desinfetá-lo e mantê-lo fresco e puro, mais tempo.
  • Adicionar prata coloidal para animal de estimação de água potável para ajudar a prevenir doenças e eliminar infecções. (5 ml por litro)
  • Adicionar prata coloidal para conservas, preservando ou engarrafamento para evitar a contaminação.
  • Spray de prata coloidal em recém-comprado (ou escolhido) frutas e legumes depois de lavá-los, para evitar o crescimento microbiano e mantê-los frescos por mais tempo.
  • Use a prata coloidal em água do banho para ajudar a acalmar a pele com coceira e promover a pele mais clara, com aparência mais jovem.
  • Use a prata coloidal como gargarejo para uma melhor saúde oral.
  • Use a prata coloidal em duchas para ajudar a aliviar odor vaginal.
  • Spray com prata coloidal em colchões, travesseiros e edredons para eliminar fungos e ovos de ácaros, principalmente para quem é alérgico.
  • Solução com prata para lavar a escovas de dente após o uso.
  • Misture um pouco de prata coloidal em água do seu animal de estimação, fontes, bebedouros etc, para evitar a propagação de bactérias e fungos, e manter o seu animal de estimação saudável e livre de infecção. (5ml por litro)
  • Use a prata coloidal em vasos de flores de corte para ajudar a prevenir o crescimento microbiano e manter as flores vivas por mais tempo. (10 ml em 1 litro)
  • Spray de chuveiros e banheiras com prata coloidal, para desinfetar e manter livre de germes.
  • Pulverize ou limpar bocais de telefone, tubo de caules, fones de ouvido, aparelhos auditivos, armações de óculos, escovas de cabelo, pentes, etc., com prata coloidal para evitar a propagação de germes.
  • Leve um pequeno frasco de spray de prata coloidal em sua bolsa quando for  às compras, assim você pode pulverizar carrinho de compras antes de usar.
  • Higienizar locais com queimaduras, acelerando a cicatrização e evitando infecção.
  • Spray de prata coloidal em sua escova de dente depois de cada uso, para ajudar a desinfetá-lo e evitar o crescimento de germes.

Prata coloidal uso em plantas

Postado em

 

 

 

As plantas, como os animais são atingidos por agentes patogênicos, como bactérias, vírus, fungos, larvas e seivas, para não mencionar que eles são alimento para muitos insetos e seus descendentes. Existem milhares de pesticidas químicos de baixo custo e repelentes, óleos vegetais naturais caros e outros tratamentos, mas a uma luz brilhante para a vitalidade da planta é prata coloidal custo extremamente baixo.

 

   O EPA mostra que a prata é um biocida oligodinâmico, ou seja, é fatal para as formas de vida primitivas, como bactérias, vírus, príons, ovos, etc , ainda prontamente utilizados por células mais complexas para matar patógenos. 

 

    A prata é totalmente seguro para plantas, animais e células de insetos (formas de vida maduros). Muitos insetos, como abelhas  são benéficos às plantas, porém os inseticidas químicos podem ser prejudiciais para as plantas e esses insetos. 


   Aplicado como uma névoa nas  folhas e caules de plantas a prata  pode ser absorvida pelas células vegetais, para ajudar nos sistemas imunitários destruição natural de patogênicos de plantas, enquanto ao mesmo tempo pode destruir ovos na planta, rompendo o ciclo de vida de insetos alvo. 



   Em vários lugares, a prata tem controlado o mosaic vírus do tomate,  o ovo flor de manga que faz com que broto gota, mata a ferrugem, etc.  As sementes germinam em 100% e crescem de forma robusta quando embebido em prata começar a brotar saudáveis, etc,  nas plantas de tomate jardim pulverizadas algumas vezes vai produzir rendimentos enormes, devido à maximizada vitalidade da planta e redução de ataques de parasitas.


  Nos dados do Epa, você pode ver que não à casos graves de uso da prata nem em humanos, animais ou plantas: http://www.epa.gov/iris/subst/0099.htm#oralrfd,  desde que seguida as dosagens recomendadas.

 

  Muito usada no exterior em fazendas e jardim como pesticida, fungicida, etc, a prata coloidal  apresenta grande eficácia sem danos a insetos e a planta. Abaixo alguns desses diversos artigos (Se desejar use o trator nativo do Google Chrome):

 

 

–  Prata coloidal como fertilizante de plantas

 

– Prata coloidal usada em jardins e plantas em geral:

 

–  Usando a prata coloidal em sementes de plantas:

 

– Como fazer suas próprias sementes feminizadas usando prata coloidal ou Rodelization (também aprender a fazer spray de prata coloidal):

     http://www.growweedeasy.com/how-to-make-your-own-feminized-marijuana%20seeds

 

–  Chronic Health Hazard Assessments for Noncarcinogenic Effects

 

–  Diversos links:

 

 

     Não encontrei  nenhuma bibliografia com dosagens especificas para cada caso de problemas com plantas, apenas essa citação:

 

Nota: Este link não está funcionando no momento.

“As soluções de prata diluído também são úteis para a germinação de sementes em plantas não comestíveis saudável e couve flor. Para pulverização de folhas e flores recomendamos 5 ppm (não diluída) de um colóide ou coloidal ou amarelo.”

Mark Metcalf – leia mais no link a”

 

 

 

  Caso encontre algo mais espicífico atualizarei a postagem.

 

  Obrigado a todos.

PRATA COLOIDAL NORMAS EPA – Silver (CASRN 7440-22-4)

Postado em

 

 

 Essa norma apresenta um estudo da EPA ( U.S.Environmetal Protection Agency) sobre a prata coloidal em pessoas que usaram e em algumas cobaias, não configurando um estudo profundo, mas sim apresentando os efeitos obtidos em alguns casos e qual seria a dose segura, já que as pessoas tomam.

 

   Doses além do que mostra a pesquisa, não permite que a prata coloidal seja eliminada completamente do organismo acumulando nos rins, fígado, pulmão, daí a importância da dosagem e do processo de obteção da prata coloidal, para que seja realmente coloide e ao ser ingerida, seja eliminada gradativamente sem retenção pelos tecidos.

 

   A nossa intenção é concientizar você da importância do preparo e da ingestação. Há muita informação desencontrada e disseminada na internet, promessas de curas e ilagres, porém é preciso ler muito e procurar em universidades, institutos de pesquisas estudos cieníficos que embasem cada afirmação e depoimento.

 

   Sabemos dos depoimentos e muitas coisas, porém o importante é cuidar para que informações desencontradas não façam de você uma vítima de falsas esperanças. A cura pela prata é real, mas deve ser responsável, pois cada pesosa é uma pessoa e reagirá de uma determinada forma a uma doença e a seu medicamento ou tratamento.

 

  Muitos procuram como terapia alternativa para inúmeras doenças graves e suas complicações, como o câncer, HIV, etc, mas lembre-se, ela é bactericida, antiviral e fungicida, então doenças cuja causa seja um desses, pode ser que a prata atue com eficiência, como coadjuvante  ou como paliativo porque existem microrganismos resistentes a prata também, e inúmeros fatores que podem impedir que a prata atue de forma adequada, como sua alimentação, vícios,  sedentarismo, sistema de defesa comprometido, doenças em estado avançado , etc.

 

 

  A norma está traduziza pelo google tradutor e caso deseje, há o link original no início do tópico e aqui abaixo, portanto a ideia é que você abra seus olhos e veja a importância e a intensidade do assunto prata coloidal que tanto pode ser a cura, como a doença, principalmente quando dissemissam informações erradas ou não informam corretamente dos benefícios e riscos. Muitos dizem ter formula secreta, mas isos não é existe, é um processo simples, porém metódico, sem segredos, sem complicações, é prata e água destilada.

 

  Esses dias ouvi um estudioso de medicina natural a anos pela internet dizer que usou água mineral porque não gostou do resultado com a água destilada, ou seja, aqui não é questão de gostar, de achar, a questão é fazer o certo, o que é feito em laboratório  por métodos científicos, se fosse questão de achar bastava comer ou sair chupando aneis e correntinhas de prata, seria mais econômico.

 

 Achômetro não é medida para nada, portanto o que achamos  ou deduzimos, não interessa nesse caso. Prata é medicamento e deve ser tratado de forma responsável. Como disse a tópicos atrás, se você decide usar,  informe-se , avise seu médico sem abandonar tratamento.

 

 Eu acho, eu decido, não é ciência.

 

 http://www.epa.gov/iris/subst/0099.htm

 

*******************************************************************************

Obs: Google tradutor  

Silver (CASRN 7440-22-4)

 

0099

Silver; CASRN 7440-22-4

 

Informações avaliação da saúde humana em uma substância química está incluído no banco de dados IRIS só depois de uma análise abrangente dos dados de toxicidade, conforme descrito no processo de desenvolvimento IRIS avaliação . Seções I (Saúde Avaliações de perigo para efeitos de Não carcinogénico) e II (Avaliação de carcinogenicidade para Lifetime exposição) apresentar as conclusões que foram alcançados durante o processo de desenvolvimento de avaliação. Apoiar informações e explicações sobre os métodos utilizados para deduzir os valores indicados na IRIS são fornecidos nos documentos de orientação localizadas no site da IRIS .

STATUS DE DADOS PARA Prata

Arquivo First On-Line 1987/01/31

Categoria (seção)

Estado

Última revisão

Oral RfD Assessment (IA)

on-line

12/01/1996

Inalação RfC Avaliação (IB)

não há dados

 

Carcinogenicidade Avaliação (II.)

on-line

06/01/1989

 

_I. Avaliações de risco para a saúde crônicos para efeitos de Não carcinogénico

 

_I.A. Dose de referência para a exposição oral crônica (RFD)

Substance Name – prata

CASRN – 7440-22-4

Última Revisto – 12/01/1996 A dose de referência por via oral (RFD) baseia-se na suposição de que existem limites para certos efeitos tóxicos, tais como a necrose celular. Ela é expressa em unidades de mg / kg-dia. Em geral, o RfD é uma estimativa (com incerteza medindo, talvez, uma ordem de grandeza) de uma exposição diária à população humana (incluindo os subgrupos sensíveis), que é provável que seja, sem um risco significativo de efeitos deletérios durante a vida inteira. Por favor, consulte o documento de base para a elaboração desses conceitos. RFDS podem também ser derivados para os efeitos para a saúde Não carcinogénico de substâncias que também são cancerígenos. Portanto, é essencial para se referir a outras fontes de informação sobre o potencial cancerígeno dessa substância. Se a EPA dos EUA tem avaliado esta substância para o potencial de carcinogenicidade humana, um resumo dessa avaliação será contida na Seção II deste arquivo.

 

 

__I.A.1. Resumo RfD Oral

Efeito crítico

Doses Experimental *

UF

MF

RfD

Argyria

2 – a 9 anos

iv Estudo Humano

Gália e Staud de 1935

NOEL: Nenhum

NMEAO: 1 g (dose total),

convertido para uma dose oral

de 0,014 mg / kg / dia

3

1

5E-3

mg / kg / dia

 

* Factores de conversão:, baseado na conversão do total da dose iv de uma dose oral total de 25 g (dose intravenosa de 1 g dividido por 0,04, assumido factor de retenção por via oral; ver Furchner et ai, 1968, em secção de comentários adicionais.) E dividindo pela 70 kg (peso adulto) e 25.500 dias (uma vida, ou 70 anos).

 

__I.A.2. Principais Estudos e Apoio (RFD Oral)

Gália, LE e AH Staud. 1935. Espectroscopia Clínica. Setenta casos de argyrosis generalizada após medicação prata coloidal e orgânico. J. Am. Med. Chem. Assoc. 104: 1387-1390.

O efeito crítico em humanos ingerindo prata é argyria, uma coloração cinza-azulada clinicamente benigna, mas permanente da pele. Argyria resulta da deposição de prata na derme e também da produção de prata induzida pela melanina. Embora a prata tem sido mostrado para ser depositado uniformemente em áreas expostas e não expostas, o aumento da pigmentação se torna mais pronunciada nas áreas expostas à luz solar, devido à redução do metal fotoactivado. Embora a deposição de prata é permanente, ele não está associado com quaisquer efeitos adversos para a saúde. Sem alterações patológicas ou reacções inflamatórias têm sido demonstrado que resultam da deposição de prata. Compostos de prata têm sido empregadas para usos médicos durante séculos. Nos séculos XIX e XX, prata arsphenamine foi usado no tratamento da sífilis, mais recentemente, tem sido utilizado como um adstringente em preparações tópicas. Enquanto argyria ocorreu mais comumente antes do desenvolvimento de antibióticos, agora é uma ocorrência rara. Greene e Su (1987) publicaram uma revisão de argyria.

Gália e Staud (1935) relataram 70 casos de generalizada argyria após a medicação de prata orgânico e coloidal, incluindo 13 casos de argyria generalizada após a terapia da injeção intravenosa arsphenamine prata e uma análise biospectrometric de 10 casos de generalizada argyria classificados de acordo com a quantidade de prata presente. No estudo iv, os dados foram apresentados por 10 homens (23-64 anos) e por duas mulheres (23 e 49 anos de idade), que foram administrados 31-100 iv injeções de prata arsphenamine (dose total foi de 4-20 g) ao longo de um grupo 2 – com período de 9,75 anos. Argiria desenvolvido depois de uma dose total de 4, 7 ou 8 g em alguns pacientes, enquanto que nos outros, argiria não se desenvolveu após uma dose total de 10, 15 ou 20 g. Na análise biospectrometric de biópsias de pele a partir de 10 casos de argiria generalizada, os autores confirmaram que o grau de descoloração é directamente dependente da quantidade de prata presente. Os autores concluíram que argiria pode tornar-se aparente clinicamente após uma dose total acumulada iv de aproximadamente 8 g de arsphenamine prata. O livro intitulado “Argyria. Farmacologia da Prata” chegou à mesma conclusão, de que uma dose iv acumulativo total de 8 g de prata arsphenamine é o limite além do qual pode se desenvolver argyria (Hill e Pillsbury, 1939). No entanto, desde que o corpo se acumula de prata ao longo da vida, é teoricamente possível que quantidades inferiores a esta (por exemplo, 4 g de prata arsphenamine) para resultar em argiria. Portanto, com base em casos apresentados neste estudo, a dose mais baixa IV, resultando em argiria em um paciente, de 1 g de prata metálica (4 g de prata arsphenamine x 0,23, a fracção de prata em prata arsphenamine) é considerado como sendo um nível mínimo para o efeito este estudo.

Blumberg e Carey (1934) relatou argyria em um magro doentes crônicos (mais de 15 anos) de 33 anos de idade, do sexo feminino (32,7 kg) que havia ingerido cápsulas contendo nitrato de prata ao longo de um período de 1 ano. O paciente relatou a ingestão de 16 mg de nitrato de prata, três vezes por dia (cerca de 30 mg de prata / dia) por períodos alternados de 2 semanas. A análise espectrográfica de amostras de sangue revelou um nível de prata de sangue de 0,5 mg / L de 1 semana após a ingestão de cápsulas de nitrato de prata cessou, e houve apenas uma ligeira diminuição no presente nível após três meses. Os autores observaram que este argyremia marcante foi impressionante porque, mesmo em casos de argyria documentado, os níveis de prata no sangue geralmente não são elevados a esta medida. Os níveis normais para pacientes argyremic foram relatados na faixa de não detectado a 0,005 mg Ag / l de sangue. Pesado vestígios de prata na pele, em quantidades moderadas a urina e fezes e quantidades vestigiais na saliva foram relatados em amostras testadas três meses após a ingestão das cápsulas parados, no entanto, apesar da argyremia marcado e detecção de prata na pele, o argyria aos 3 meses foi bastante suave. Sem pigmentação escura óbvio era visto diferente linhas gengivais que são considerados característicos dos primeiros sinais de argyria. Os autores sugeriram que este pode ter sido porque a mulher não foi exposta à luz forte durante o período de tratamento de prata. Este estudo não é apropriada para servir como a base para uma avaliação quantitativa do risco para a prata, porque é um caso clínico em apenas um paciente de saúde comprometida. Além disso, a quantidade real ingerida é de prata com base na recordação do paciente e não pode ser determinada com precisão.

Em um caso relatado por East et ai. (1980), argyria foi diagnosticada em uma mulher de 47 anos de idade (58,6 kg) que havia tomado excessivamente grandes doses orais de pastilhas anti-tabaco que contêm acetato de prata durante um período de 2,5 anos. Não foram fornecidas informações sobre a quantidade real de prata ingerida. Os sintomas de argiria apareceu após os primeiros 6 meses de exposição. Com base na análise por ativação com nêutrons corpo inteiro, a carga total do corpo de prata nesta fêmea foi estimado em 6,4 (mais ou menos 2) g. Tanto o peso corporal total e concentração de prata na pele foram estimados em 8000 vezes superior ao normal. Numa experiência de 30 semanas em separado, o mesmo objecto retido 18% de uma única dose administrada oralmente de prata, um nível de retenção muito maior do que o relatado por outros investigadores. Leste et ai. (1980) citado outros estudos nesta formulação anti-tabagismo em particular (no mercado desde 1973), que demonstraram que “dentro dos limites do erro experimental, a prata não é mantida após a administração oral.” No entanto, isso pode não ser verdade para a ingestão excessiva desse tipo ingerida por essa pessoa. Tal como com o estudo de Blumberg e Carey (1934), este estudo não é apropriada para servir como a base para uma avaliação quantitativa do risco. É um caso clínico em apenas um paciente e a quantidade real de prata ingerida só pode ser estimada.

 

__I.A.3. Incerteza e fatores modificadores (RFD Oral)

UF – um factor de incerteza de 3 é aplicado a conta para efeitos mínimos em uma subpopulação que exibiu um aumento da propensão para o desenvolvimento de argiria. O efeito crítico observado é um efeito cosmético, sem efeitos adversos à saúde associados. Além disso, os relatórios de estudos críticos em apenas um indivíduo que desenvolveram argyria após uma dose intravenosa de 1 g de prata (4 g de prata arsphenamine). Outros indivíduos não respondeu até que os níveis cinco vezes superiores foram administrados. Nenhum fator de incerteza para menos de crônica de duração crônica é necessária porque a dose foi distribuída ao longo de uma vida de 70 anos.

MF – Não

 

__I.A.4. Estudos adicionais / Comentários (RFD Oral)

No estudo de Leste et ai. (1980) (ver secção 1.A.2.), Um humano foi encontrado para reter 18% de uma dose oral única. No entanto, os autores reconhecem que esse alto nível de retenção não é consistente com os dados publicados em outros laboratórios. Por razões éticas, a experiência não puderam ser repetidos para determinar a validade dos resultados obtidos.

Os seres humanos são expostos a pequenas quantidades de prata a partir de fontes dietéticas. A ingestão oral de prata a partir de uma dieta normal foi estimada entre 27-88 ug / dia (Hamilton e Minski, 1972/1973,. Kehoe et ai, 1940). Tipton et ai. (1966) estimaram uma menor ingestão de 10-20 ug / dia em dois assuntos durante a 30 – período de observação dia.Ao longo da vida, de uma quantidade pequena, mas mensurável de prata é acumulada por indivíduos sem exposição excessiva. Gália e Staud (1935) estimou que uma pessoa com 50 anos teria uma retenção média de 0,23-0,48 g de prata (equivalente a 1-2 g de prata arsphenamine). Petering et al. (1991) estimaram uma muito menor carga corporal de 9 mg ao longo de 50 – período de um ano com base no consumo estimado, absorção e excreção de valores, no entanto, não está claro como a estimativa final foi calculado. Furchner et ai.(1968) estudaram a absorção e retenção de prata ingerida (como nitrato de prata, uma quantidade não especificada) em ratinhos, ratos, macacos e gatos. Em todas as quatro espécies, muito pouco de prata foi absorvido a partir do trato gastrointestinal. Excreção cumulativa variou de 90 a 99%, no segundo dia após a ingestão, com <1% da dose sendo retidos em <1 semana em macacos, ratos e ratinhos. Os cães tinham uma ligeiramente maior retenção. Os autores utilizaram os dados do cão para estimar a quantidade de prata ingerido por um humano de 70 kg seria mantida. Um “factor de equilíbrio” de 4,4% foi determinado por integração de zero a infinito de retenção de uma equação que assume um padrão de eliminação trifásico para a prata, com a eliminação inicial de 90% a partir dos dados provenientes de cães. A primeira semi-tempo de 0,5 dias, foi usado “arbitrariamente”; subsequentes meias tempos de 3,5 dias e 41 dias foram retiradas a partir de um estudo metabólico por Polachek et ai. (1960). Furchner et ai. (1968) considerou seu fator de equilíbrio calculado de 4,4% para ser uma estimativa conservadora para a quantidade de prata, que seria mantida por um homem de 70 kg. Este valor foi arredondado para 4% e foi utilizada na conversão de dose (dose iv convertido para ingestão oral) para o cálculo da RfD.

Além arsphenamine prata, qualquer composto de prata (nitrato de prata, acetato de prata, argyrol, Neosilvol e Collargol, etc), em doses elevadas, podem causar argiria. Outro importante factor de predisposição para o desenvolvimento de argiria é a exposição da pele à luz.

Argiria, o efeito crítico sobre a qual a prata para RfD baseia-se, ocorre a níveis de exposição muito mais baixa do que aqueles níveis associados com outros efeitos de prata. Argyrosis, resultante da deposição de prata no olho, foi também documentada, mas, geralmente, envolve a utilização de gotas para os olhos ou de maquilhagem contendo prata (Greene e Su, 1987). A prata tem sido encontrado para ser depositado na córnea e na cápsula anterior da lente. O mesmo padrão de deposição foi observada nos olhos de ratos Wistar machos, após a administração de uma solução de nitrato de prata de 0,66% para os olhos durante 45 dias (Rungby, 1986). Nenhuns efeitos toxicológicos foram relatados.

Efeitos tóxicos de prata foram relatados principalmente para os sistemas cardiovascular e hepática. Olcott (1950) administrado de 0,1% de nitrato de prata na água de beber a ratos durante 218 dias. Esta exposição (cerca de 89 mg / kg / dia) resultou num aumento estatisticamente significativo na incidência de hipertrofia ventricular. Após a necropsia, a pigmentação avançada foi observada em órgãos do corpo, mas a hipertrofia ventricular não foi atribuída a deposição de prata.

Necrose hepática e alterações ultra-estruturais do fígado têm sido induzida pela administração de prata para a vitamina E e / ou de ratos deficientes em selénio (Wagner et ai, 1975;. Diplock et al, 1967;. Bunyan et al, 1968.). Os investigadores colocaram a hipótese de que esta toxicidade é relativa a uma deficiência de selénio de prata induzida que inibe a síntese do seleno-enzima glutationa peroxidase. Em animais tratados com selénio e / ou de vitamina E, a exposição de prata tão elevada quanto 140 mg / kg / dia (100 mg Ag / L de água de beber) foram bem tolerados (Bunyan et ai., 1968).

 

__I.A.5. A confiança na RfD Oral

Estudo – Médio

Banco de Dados – Low

RfD – Low

O estudo humano crítico avalia a confiança média. É um estudo de idade (1935), que oferece informações bastante específicas sobre a dose total de prata injetado ao longo de um período de tempo determinado. Uma falha do estudo é que apenas os pacientes em desenvolvimento argyria são descritos, sem a informação é apresentada em pacientes que receberam múltiplas injeções de arsphenamine prata sem desenvolver argyria. Portanto, é difícil estabelecer um NOAEL. Além disso, os indivíduos do estudo foram tratados para sífilis e pode ter sido de saúde comprometida.

A confiança na base de dados é considerada baixa, porque os estudos utilizados para suportar o RfD não foram estudos controlados. Para estudos de casos clínicos de argiria (como Blumberg e Carey, 1934,. Oriente et al, 1980), é particularmente difícil determinar a quantidade de prata que foi ingerido.

A confiança no RfD pode ser considerado baixo ou médio, porque, enquanto que o efeito crítico tem sido demonstrada nos seres humanos após a administração oral de prata, a estimativa quantitativa do risco baseia-se num estudo, utilizando a administração intravenosa e, portanto, necessita de uma dose de conversão com as incertezas inerentes .

 

__I.A.6. EPA Documentação e Análise da RfD Oral

Documento de Origem – Esta avaliação não é apresentado qualquer documento existente EPA dos EUA.

Outros EPA Documentação – Não

Agência do Trabalho do Grupo de Revisão – 10/09/1985, 1986/02/05, 1990/04/18, 1991/02/20, 1991/07/18

Data Verificação – 1991/07/18

Screening-Nível Literatura Descobertas – uma revisão de nível triagem realizada por um empreiteiro da literatura toxicologia mais recente pertinente ao RfD de prata realizada em agosto de 2003 não identificou novos estudos críticos EPA. IRIS usuários que sabem de novos estudos importantes podem fornecer essa informação para o Hotline IRIS em hotline.iris @ epa.gov ou 202-566-1676.

__I.A.7. EPA Contatos (RFD Oral)

Entre em contato com a Linha Direta IRIS para todas as questões relativas a esta avaliação ou IRIS, em geral, em (202) 566-1676 (telefone), (202) 566-1749 (FAX) ou hotline.iris @ epa.gov (endereço de internet).


 

_I.B. Concentração de referência para exposição inalação crônica (RFC)

Nome da substância – Silver

CASRN – 7440-22-4

Não disponível no momento.


 

_II. Avaliação de carcinogenicidade para Lifetime exposição

Nome da substância – Silver

CASRN – 7440-22-4

Última Revisão – 06/01/1989

Seção II fornece informações sobre três aspectos da avaliação carcinogênico da substância em questão, o juízo de suficiência de prova da probabilidade de que a substância é um carcinógeno humano, e as estimativas quantitativas de risco de exposição oral e de exposição por inalação. As estimativas de risco quantitativos são apresentados em três formas. O factor de inclinação é o resultado da aplicação de um processo de extrapolação de baixa dose e é apresentado como o risco por (mg / kg) / dia. O risco da unidade é a estimativa quantitativa em termos de risco ou por ug / L de água potável ou de risco por ug / m³ de ar respirado. A terceira forma em que o risco é apresentado é a água potável ou a concentração de ar oferecendo riscos de câncer de 1 em 10.000, 1 em 100 mil ou 1 em 1.000.000. A lógica e os métodos utilizados para desenvolver as informações carcinogenicidade em IRIS são descritas nas diretrizes de avaliação de risco de 1986 (EPA/600/8-87/045) e no Documento Base IRIS. Resumos IRIS desenvolvidos desde a publicação de diretrizes propostas mais recentes da EPA para a Avaliação de Risco cancerígeno também utilizam estas orientações onde indicado (Federal Register 61 (79) :17960-18011, 23 de abril de 1996).Os usuários são encaminhados para a Seção I deste arquivo IRIS para obter informações sobre outros de carcinogenicidade efeitos tóxicos a longo prazo.

 

_II.A. Evidências de carcinogenicidade humana

 

__II.A.1. Caracterização de importância das provas

Classificação – D; não classificado como carcinogênico humano

Base – Nos animais, os sarcomas locais tenham sido induzidos após a implantação de discos de folhas e de prata. No entanto, a interpretação destes resultados tem sido questionada devido ao fenómeno do estado sólido carcinogénese em que mesmo os sólidos insolúveis, tais como o plástico têm sido mostrados para resultar em fibrossarcomas locais.

 

__II.A.2. Os dados de carcinogenicidade Humanos

Foi relatada nenhuma evidência de câncer em seres humanos, apesar do uso terapêutico freqüente do composto ao longo dos anos.

 

__II.A.3. Animais de carcinogenicidade de Dados

Inadequada. Sarcomas dos locais tenham sido induzidos após administração subcutânea (sc), implantação de discos de folhas e de prata e outros metais nobres. Furst (1979, 1981), no entanto, citou estudos que mostram que, mesmo sólidos insolúveis, tais como o marfim suave e resultado plástico em fibrosarcomas locais e que a lata quando desintegrado não.Ele concluiu que o ip e sc implantes são inválidos como indicadores de carcinogenicidade por causa de um fenômeno chamado de estado sólido carcinogênese pode complicar a interpretação da causa destes tumores. É difícil interpretar esses tumores local de implantação em animais de laboratório em termos de exposição de seres humanos através da ingestão. Dentro destas restrições, existem dois estudos dadas abaixo de prata, por si só, que pareciam não induzir a resposta carcinogénico.

Schmahl e Steinhoff (1960) relataram, num estudo de prata e de ouro, a prata coloidal injectado tanto IV e SC em ratos resultou em tumores em 8 de 26 ratos que sobreviveram mais de 14 meses. Em 6 dos 8, o tumor foi no local da injecção SC. Em ratos não tratados a cerca de 700, a taxa de formação de tumores espontâneos de qualquer local foi de 1 a 3%. Sem controlo do veículo foi avaliado.

Furst e Schlauder (1977) avaliaram a prata eo ouro de carcinogenicidade em um estudo desenhado para evitar de estado sólido carcinogênese. Metal em pó foi suspenso em trioctanoin e injectado mensal, im, em 50 machos e fêmeas ratos Fischer 344 por grupo. A dose foi de 5 mg por cada cinco tratamentos e 10 mg cada, para mais de 5 tratamentos para uma dose total de 75 mg de prata. O regime de tratamento incluía um controlo de veículo (um material supostamente inerte), e de cádmio, como um controlo positivo. Injecção local sarcomas foram encontradas apenas no controlo de veículo (1/50), ouro (1/50) e cádmio (30/50); nenhum tumor (0/50) apareceu no local da injecção nos animais tratados com prata.Uma necropsia completa foi realizada em todos os animais. Os autores mencionam a existência de tumores espontâneos em ratos Fischer 344, mas informou apenas tumores no local da injecção. Eles concluíram que a prata em pó muito fino im injetado não induz câncer.

 

__II.A.4. Dados de apoio para a carcinogenicidade

Um apoio adicional para a falta de capacidade da prata para induzir ou promover hastes de câncer da constatação de que, apesar de longa data e de uso terapêutico freqüente em seres humanos, não há relatos de câncer associados com a prata. Em um recente Procedimentos de um seminário / conferência sobre o papel dos Metais na carcinogênese (1981), contendo 24 artigos em bioensaios com animais, epidemiologia, bioquímica, mutagenicidade, e valorização e inibição da carcinogênese, a prata não foi incluído como um metal de preocupação cancerígenos.

Não há evidência de mutagenicidade da prata foi mostrado em dois estudos disponíveis. Demerec et ai. (1951) estudaram o nitrato de prata para a possível indução de back-mutações da dependência estreptomicina para nondependence em Escherichia coli. O nitrato de prata foi considerado nonmutagenic neste ensaio. Nishioka (1975) o cloreto de prata blindado com outros produtos químicos para efeitos mutagénicos através de um método chamado de rec-ensaio. O cloreto de prata foi considerado nonmutagenic neste ensaio.


 

_II.B. Estimativa quantitativa de risco carcinogénico de exposição oral

Não disponível.


 

_II.C. Estimativa quantitativa de risco cancerígeno por inalação exposição

Não disponível.


 

_II.D. EPA documentação, revisão e Contatos (Avaliação de carcinogenicidade)

__II.D.1. EPA Documentação

Documento de Origem – EUA EPA, 1988

A 1988 Água Potável Critérios de documentos para Prata recebeu Agência Review.

__II.D.2. EPA Review (Avaliação de carcinogenicidade)

Agência Grupo de Trabalho Review – 1988/09/22

Data Verificação – 1988/09/22

Screening-Nível Literatura Descobertas – uma revisão de nível triagem realizada por um empreiteiro da literatura toxicologia mais recente pertinentes para a avaliação do câncer de prata realizada em agosto de 2003 não identificou novos estudos críticos EPA. IRIS usuários que sabem de novos estudos importantes podem fornecer essa informação para o Hotline IRIS em hotline.iris @ epa.gov ou 202-566-1676.

__II.D.3. EPA Contacts (Avaliação de carcinogenicidade)

Entre em contato com a Linha Direta IRIS para todas as questões relativas a esta avaliação ou IRIS, em geral, em (202) 566-1676 (telefone), (202) 566-1749 (FAX) ou hotline.iris @ epa.gov (endereço de internet).


_III. [Reservada]
_IV. [Reservada]
_V. [Reservada]


 

_VI. Bibliografia

Nome da substância – Silver

CASRN – 7440-22-4

Última Revisão – 12/01/1991

_VI.A. Orais Referências RFD

Blumberg, H. e TN Carey. 1934. Argyremia: Detecção de argyria insuspeita e obscura pela demonstração espectrográfica de prata arterial elevada. J. Am. Med. Chem. Assoc. 103 (20): 1521-1524.

Bunyan, J., AT Diplock, MA Cawthorne e J. Green. 1968. Vitamina E e stress. 8. Efeitos nutricionais de estresse dietético com prata em vitamina E pintos com deficiência e ratos. Br. J. Nutr. 22 (2): 165-182.

Diplock, AT, J. Green, J. Bunyan, D. McHale e IR Muthy. 1967. Vitamina E e stress. 3. O metabolismo do D-alfa-tocoferol no rato sob stress dietética com prata. Br. J. Nutr. 21 (1): 115-125.

A leste, BW, K. Boddy, ED Williams, D. MacIntyre e ALC McLay. 1980. Retenção de prata, prata corporal total e concentrações de prata tecido em argyria associada à exposição a um remédio anti-fumo que contém acetato de prata. Clin. Exp. Dermatol. 5: 305-311.

Furchner, JE, CR Richmond e GA Drake. 1968. Metabolismo comparativa de radionuclídeos em mamíferos – IV. Retenção de prata – 110m no rato, macaco e cachorro. Phys saúde. 15: 505-514.

Gália LE e AH Staud. 1935. Espectroscopia Clínica. Setenta casos de argyrosis generalizada após medicação prata coloidal orgânico e incluindo uma análise biospectrometric de dez casos. J. Am. Med. Chem. Assoc. 104 (16): 1387-1390.

Greene, RM e WPD Su. 1987. Argyria. Sou. Fam. Phys. 36: 151-154.

Hamilton, EI e MJ Minski. 1972/1973. Abundância dos elementos químicos na dieta do homem e as possíveis relações com fatores ambientais. Sci. Total Environ. 1: 375-394.

Hill, WR e DM Pillsbury. 1939. Argyria. A farmacologia de prata. Williams e Wilkins Company, Baltimore, MD.

Kehoe, RA, J. Cholar e RV Story. 1940. Um estudo espectroquímico das gamas normais de concentração de certos metais de traço em materiais biológicos. J. Nutr. 19: 579-592.

Olcott, CT 1950. Argyrosis Experimental. V. A hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração nos ratos que ingeriram sais de prata. Arch. Pathol. 49: 138-149.

Esmorecimento, HG e CJ McClain. 1991. Prata. In: metais e seus compostos no meio ambiente: Ocorrência, Análise e relevância biológica, E. Merian, Ed. VCH, Weinheim. p. 1191-1201.

Polachek, AA, CB Cope, RF Williard e T. Enns. 1960. Metabolismo de prata radioativo em um paciente com carcinóide. J. Lab. Clin. Med. Chem. 56: 499-505.

Rungby, J. 1986. A profilaxia de nitrato de prata de crede provoca deposição de prata na córnea de animais experimentais. Exp. Res olho. 42: 93-94.

Tipton, IH, PL Stewart e PG Martin. 1966. Oligoelementos em dietas e excreções. Phys saúde. 12: 1683-1689.

Wagner, PA, WG Hoeskstra e HE Ganther. 1975. Alívio da toxicidade de prata por selenito no rato em relação ao tecido da glutationa peroxidase. Proc. Soe. Exp. Biol. Med. Chem. 148 (4): 1106-1110.


_VI.B. Inalação RFC Referências

Nenhum


_VI.C. Avaliação de carcinogenicidade Referências

Demerec, M., G. Bertani e J. Flint. 1951. Uma pesquisa de produtos químicos para a ação mutagênica em E. coli. Sou. Nat. 85 (821): 119-136.

Furst, A. 1979. Problemas em metal carcinogênese. In: metais traço na saúde e na doença, N. Kharasch, Ed. Raven Press, Nova Iorque. p. 83-92.

Furst, A. 1981. Bioensaio de metais para carcinogênese: animais inteiros. Environ. Saúde Perspect. 40: 83-92.

Furst, A. e MC Schlauder. 1977. Inatividade de dois metais nobres como cancerígenas. J. Environ. Pathol. Toxicol. 1: 51-57.

Nishioka, H. 1975. Atividades mutagênicas de compostos de metais em bactérias. Mutat. Res. 31: 185-189.

Procedimentos de um seminário / conferência sobre o papel de Metais em carcinogênese. 1981. Environ. Saúde Perspect. 40: 252.

Schmahl, D. e D. Steinhoff. 1960. Versuche zur Krebserzeugung mit kolloidalen-und Silber Goldlosungen um Ratten. Z. Krebsforsch. 63: 586-591.

EUA EPA. 1988. Beber Água Critérios de documentos para prata. Elaborado pelo Departamento de Saúde e Avaliação Ambiental, critérios ambientais e Gabinete de Avaliação, Cincinnati, OH para o Escritório de Água Potável, Washington, DC. ECAO-CIN-026. Projecto Final.


 

_VII. Histórico da Revisão

Nome da substância – Silver

CASRN – 7440-22-4

Data

Seção

Descrição

03/01/1988

AI4.

Texto revisto

03/01/1988

IA7.

Contato secundário mudou

1988/06/30

IA7.

Contato primário mudou

06/01/1989

II.

Resumo cancerígena on-line

06/01/1989

VI.

Bibliografia on-line

08/01/1989

VI.A.

Referências RFD orais adicionado

03/01/1991

IA

Resumo RfD Oral observado como alteração pendente

08/01/1991

IA

Retirada; novo oral, RFD verificado (em preparação)

08/01/1991

VI.A.

Referências RFD orais retirado

12/01/1991

IA

Resumo RfD Oral substituído; RFD mudou

12/01/1991

VI.A.

Referências RFD orais substituído

01/01/1992

IV.

Ações regulatórias atualizadas

12/01/1996

IA7.

Contato secundário removido

04/01/1997

III., IV., V.

Beber água Alertas de Saúde, a EPA ações regulatórias e de dados complementares foram retirados IRIS em ou antes de abril de 1997. IRIS usuários foram direcionados para as apropriadas EPA Escritórios de programa para esta informação.

2003/10/28

IA6, II.D.2

Screening Nível Revisão da Literatura Achados mensagem foi adicionado.

 


 

_VIII. Sinônimos

Nome da substância – Silver

CASRN – 7440-22-4

Última Revisão – 06/01/1989

  • 7440-22-4
  • CREDE ARGENTUM
  • COLLARGOL
  • Prata

 

 

 

 

 

Dosagem da prata coloidal

Postado em

 

Eis o mais importante tema e depois de muito pesquisar encontrei a RDF da EPA( Environmental Protection Agency) americano completa : Prata (CASRN 7440-22-4), com um vasto estudo sobre o uso da prata tanto colóide como outras formas. Esses estudos são em casos de pessoas que usaram a prata coloidal e em outras formas e tiveram problemas, na maioria, e em cobaias animais, porém, como o documento diz não há um estudo profundo sobre muitos aspectos e efeitos da prata coloidal no organismo humano e em tecidos. É um estudo de 1987, portanto, há muitos aspectos a serem observados durante todos esses anos, onde esse estudo , podemos dizer que foi abandonado pelos órgãos governamentais e estudado individualmente em uma ou outra instituíção ou empresa.

Fala sobre estudos a nível de tecido e celular e a dosagem correta via oral/dia. A prata em várias aplicações e dosagens extremas, mostrou-se tóxica, comprometendo órgãos e tecidos, porém na dose recomendada, é suficiente para atuar como o poderoso antibiótico, antiviral e fungicida que é, sem comprometer a saúde do usuário.

 Leia o texto na integra para entender (pode traduzir se usar o google chrome):

Prata (CASRN 7440-22-4)

O trecho que esclarece a dosagem é: 

O  EPA diz que a dose suficiente recomendada é  10 a 20 ppm ou 10-20ug/ml dia  ou  10-20mg/litro dia ou   10000ug/litro dia   ou    0,01mg/ml dia resumindo :

Se em 1000 ml você tem 20mg ou 20 ppm por litro, cada ml terá:  20:1000 = 0,02 mg/por ml ou 20ug/ml.

Portanto, a dose diária será em ml , 1 ml dia a 20 ppm, podendo haver uma alteração na dosagem  como mostra abaixo e no documento num limite seguro, porém a dose deverá ser adaptada a cada caso num determinado período de uso sem comprometimento orgânico.

Os seres humanos são expostos a pequenas quantidades de prata a partir de fontes dietéticas. A ingestão oral de prata a partir de uma dieta normal foi estimada entre 27-88 ug / dia (Hamilton e Minski, 1972/1973;. Kehoe et al, 1940). Tipton et al. (1966) estimaram uma menor ingestão de 10-20 ug / dia em dois assuntos durante a 30 – período de observação dia.
(I.A.4. Estudos adicionais / Comentários (RFD Oral))
 
 
 
A prata nesse mesmo documento a partir 100 ppm dia pode levar à Argyria e outros problemas.
 

Alerta FDA para dose extrema:

O FDA (U.S. Food and Drug Administration) também alerta para a dose extrema de prata coloidal, segundo estudos  em pessoas com Argyria, que você pode ler na seguinte publicação:
 
No trecho: “Com base na informação científica disponível, FDA não é capaz de informar o consumidor de uma dose ou usar restrições que minimizam ou eliminam o risco de argyria. No entanto, a Environmental Protection Agency (EPA) estabeleceu uma Dose de Referência crônica oral (TDF) de 5 microgramas (ug) de prata por quilograma (kg) de peso corporal por dia (5 ug / kg / dia), com base numa análise de 70 casos de argyria que foram associados com as utilizações orais e outros compostos de prata.Para uma pessoa com 70 kg (ou cerca de 154 libras de peso corporal), este seria de cerca de 350 ug de prata por dia. A ingestão de prata em quantidades próximas ou acima da RFD EPA pode colocar o consumidor em risco de desenvolver argyria. Se você estiver usando ou considerando usar um suplemento dietético que contém prata e tiver dúvidas ou preocupações sobre a sua segurança para você em suas circunstâncias particulares, você deve discutir essas preocupações com o seu prestador de cuidados de saúde.”
5ug (micrograma) por ml = 0,01 mg (miligrama) por ml = (5mg por litro)/ Kg / dia   ou   5ppm/kg/dia , dose limite por kilo de peso que pode, acima disso causar problemas, então,  deve-se usar menos, pois uma pessoa com 70 KG ficaria com uma dosagem extrema de 350 ppm dia que é um exagero.
Explicação:  A concentração ppm em massa expressa a massa de soluto (disperso), em µg (micrograma), existentes em 1 g (1 milhão de µg) de solução.
  Exemplo: Quando se afirma que a água poluída de um rio contém 5 ppm em massa de mercúrio significa que 1 g da água deste rio contém 5 µg de mercúrio.
Se considerarmos a densidade das soluções aquosas = 1,00 g/mL (ou aproximado) pode usar-se as seguintes relações:
                             ppm = mg/litro = µg/mL

A densidade da água é  1000 kg/m³ (g/L).
ppm = mg/l  = ug/ml (assim como ug está para ml,  mg está para litro)
ppm = 5 mg/l  =  5ug/ml
ppm = 5ppm

Portanto, 5ppm/70kg/dia, seria 350 ppm para uma pessoa, um exagero perigoso.
Eles são as mesmas porém em escalas diferentes.

Para que entenda melhor use essa calculadora de conversão. na coluna da esquerda marque as ppm que deseja no final  e clique em converter e veja os valores em ug/ml e mg/l são equivalentes, ou seja, assim como ug está para ml,  mg está para litro. No documento é 5ug/ml = 5ppm / por ml . Use a calculadora e vai entender, lembrando que a densidade da água é 1000 kg/m³ (g/L).

http://www.webcalc.com.br/frame.asp?pag=http://www.webcalc.com.br/conversoes/concent_massa_vol.html

 



   Essa dosagem, como dizem alguns sites não é a máxima recomendada, é a dose limite e que já pode provocar Argyria, pois a prata com um consumo prolongado comoça a ser absorvida pelos tecidos. isso você pode comprovar nesse outro documento do FDA com regras e regulamentos:
http://www.fda.gov/ohrms/dockets/98fr/081799a.txt , lembrando que é um estudo antigo de 1999, mas que monstra como há muita especulação e poucos estudos. Atualmente o que se encontra de novo está mais a nível universitário, testes individuais, porém pouco divulgados e sabemos que a prata funciona, não em 650 patogênes,mas em muitos casos com doses adequadas dentro do limite de segurança.
 


   Espero que tenha esclarecido da importância no uso da prata, pois, se você consome via oral qualquer dosagem e feita de qualquer jeito, estará comprometendo todos os seus órgãos.
   Tenha responsabilidade ao fazer e ingerir, nada de gambiarras, de pilhas, de água mineral, enfim, seja muito responsável e leia muito, pesquise e se apoie em documentação oficial como as desse post que se baseam em estudos científicos, em experimentos sérios por entidades sérias.
   Chega de conversa, de artigos sem fundamentos. O assunto é sério e merece muita atenção.
   Obrigado a todos que nos seguem e continuamos a pesquisar  e trazer a você informações cada vez mais precisas. Qualquer coisa a acrescentar e corrigir, use os comentários, sua opinião e avaliação é bem vinda.

Prata coloidal não faz milagres, não é Santa!

Postado em

 

Gente, ultimamente estou lendo e vendo muitas perguntas que não tem sentido. As pessoas querem usar prata coloidal para tudo, até dor de estomago, má digestão, azia, preguiça, falta de dinheiro.

Pelo amor de Deus!!!!!

Leiam sobre a prata nos tópicos aqui no Blog ou nas comunidades de Prata Coloidal, por favor, Leiammmmmmmmmmmmmmmmmm!!!!

Entrem em contato com essas pessoas que usam a muitos anos e se informem antes de fazer perguntas que não tem sentido.

A Prata Coloidal é :

 BACTERICIDA – Mata Bactérias

                    Antiviral   – Elimina vírus

                                       FUNGICIDA – Elimina fungos

ENTENDERAM?

Portanto, não serve para dor nas costas, esporão, dor de barriga, dor nos zóios, nas zoreia e nos zovido. Não serve para má digestão porque você come um monte de coisas que não deve , não serve para azia porque você comeu algo inadequado ou está com gastrite, não serve para ressaca, não serve para ser adorada como uma Santa. Prata tem sua finalidade e usos corretos, por isso, leiam muito antes de perguntar bobagens, pois aqui há muita informação e completas de pessoas que usam a prata no seu dia-a-dia, que compreendem como é feita, seu uso e para que serve conforme sua aplicação , novamente, bactericida, antiviral e fungicida.

Analisem o porque a prata não  é divulgada e não é usada e o porque existe tantas determinações ao redor de medicamentos. Porque as pessoas não lêem, não se informam e não pesquisam e só querem fazer uso das coisas como acham que devem sem se preocupar com o que envolve tudo isso.

Péssimo hábito nacional da maioria, a falta do hábito da leitura e uma cultura que lhes permita ver-se como um TODO. Remédio e a prata não podem consertar o que as pessoas desconsertam com seus maus hábitos alimentares, com seus vícios de cigarro, bebida ou droga, com seu estilo de vida, com a água depéssima qualidade que bebem.

É preciso ter a consciência de que somos um TODO, que devemos estar atentos aos hábitos alimentares, aos alimentos errados que consumimos e que juntamente com a má qualidade da água em alguns casos , são as causas de muitas doenças, aliadas ao sedentarismo e a hereditariedade.

A prata coloidal é mais um auxiliar usado a milênios para ajudar a humanidade, não é nada excepcional, nem nenhum item milagroso que vai fazer curas sensacionais. Ela vai auxiliar e curar o que houver a possibibilidade ser curado, vai depender de pessoa para pessoa, do organismo, de como usa, da qualidade do que usa, da água usada para produção da prata.

Sigam a risca a metodologia adequada para fazer a prata, chega de querer economizar, fazer gambiarras, testes, usar pilhas, prata de jóias, enfim, coisas sem orientação e qualidade. produzir um colóide é química e exige disciplina e método, senão você vai ingerir qualquer outra coisa, menos colóides, depois ficam reclamando que estão azuis , estão cinzas, estão isso e aquilo.

Assim como um antibiótico pode não dar resultado satisfatório por diversos motivos, a prata pode também não fazê-lo e assim qualquer outro produto indicado para alguma enfermidade.

Portanto, novamente leiam muito, antes de achar que a prata coloidal ou o ouro coloidal farão milagres. Não farão!!!!!!!!

Informem-se com seu médico, pois ele é o profissional que está habilitado e capacitado para fazer diagnósticos, não você. Tenha certeza primeiramente da sua doença qual é.

Se tiver dúvida e não aceitar procure quantos médicos achar necessário para 2 , 3, 6, 10 , 20 diagnósticos.  O importante é que entenda que o TODO, o conjunto: alimentação saudável + estilo de vida saudável + no stress + água pura com PH adequado + alimentos  balanceados entre ácidos e alcalinos é que vão dar a você saúde e a solução para muitos males.

Pergunte a quem tem experiência com  aprata, não só de produção, mas principalmente de naos de consumo responsável. Você encontra essas pesosas nas Comunidades do Orkut, prata coloidal e em alguns sites que produzem os geradores de prata coloidal.

Visite os tópicos anteriores sobre alcalinidade, refrigerantes, água de garrafa plástica, sobre a prata, enfim , leia, revise seus hábitos alimentares e de vida, depois procure a prata como solução.

Desejo à todos muita saúde e muito equlíbrio!!!

Sabonetes Artesanais Bactericidas com Prata Coloidal / Silver Soap

Postado em Atualizado em

Sabonetes Artesanais Bactericidas com Prata Coloidal

São os sabonetes
que comercializamos, eles contem Prata Coloidal que é um antibiótico,
bactericida , antiviral e fungicida natural, que na forma de sabonetes
protege a pele, eleimina as bactérias, fungos e vírus que atacam nossa
pele no dis-a-dia. Uma dica legal para quem gosta de produtos naturais e
artesanais, sem química forte com glicerina, óleo de coco de babaçu,
essências suaves. Experimente e fique protegido no seu dia-a-dia.

Visite a Loja: Naturals Brazil