Mês: maio 2019

VALIDADE X GARANTIA DA PRATA

Postado em


O fabricante pode dar a garantia que desejar, pois a partir do momento que chega na mão do consumidor, não se sabe o que ele fará, onde armazenará, podendo comprometer os íons de prata. Normalmente recomenda-se deixar na embalagens original, na temperatura ambiente, sem expor ao sol ou ao gelo da geladeira.


Muitas pessoas colocam em recipientes qualquer.


Assim, a garantia é relativa e confundida com validade.
A validade pode ir até quando decantar, o que para uma prata de excelente qualidade pode demorar mais de 2 anos.


Costuma alterar logo quando tem partícula iônica.
Temos Prata coloidal em amostras a mais de dois anos, em embalagem transparente e fechada, mantendo a qualidade, acredite se quiser.


Assim, o próprio Bioquímico kephra afirma que ele mesmo tem prata coloidal guardada a anos com a mesma eficácia.


Se está em dúvida pode usar um VPN e acessar:https://www.cgcsforum.org/index.php?topic=3967.0

PRATA COLOIDAL EMBALAGEM DE VIDRO X PET

Postado em

FALTA DE CONHECIMENTO EM QUÍMICA ?


A ignorância ou a falta de conhecimento em química leva as pessoas a repetirem como papagaios informações aleatórias que leem na internet, onde produtores afirmam mas não explicam. Não explicam porque não sabem, somente repetem. Como é de praxe fomos buscar as informações corretas e os testes que mostram que plástico adequado é tão seguro quanto o vidro e o vidro pode adsorver a prata diminuindo a quantidade de partículas na solução. Leia com atenção, pois o que tem aqui não é invenção é pesquisa.


Uns falam que só se deve colocar a prata coloidal em embalagens de vidro, outros que podem em plástico, outros usam qualquer plástico. Além da questão de submeter a água destilada em recipiente de toda ordem que ao entrarem em contato com a corrente elétrica, liberam partículas, de de teflon, aço inox, alumínio, plástico na solução.


RECIPIENTE PARA FAZER

Para fazer usa-se vidro, chamado vidro boro ou borificado, resistente a temperatura e a degradação. Normalmente Becker.
EMBALAGEM- Temos vidro transparente e Âmbar- Temos PET farmacêutico- Temos PeT cosmético e – Temos Pet alimentício.- Temos embalagens simples e comuns.
O vidro se tiver prata iônica deve ser âmbar, se for prata verdadeira poderá ser transparente ou não.
O Pet farmacêutico é um plástico liso e brilhante que normalmente possui laudo de fabricação que você pode exigir do seu fornecedor de prata coloidal que comprova a qualidade do PET FARMACÊUTICO e que é capaz de suportar substâncias químicas, incluindo ácidos, sem alterar a composição.


O PET cosmético, a mesma coisa, porém não suporta extrema acidez.O PET alimentício todos conhecem e consomem, adequados para alimentos para baixa temperatura.
As embalagens mais comuns, não possuem qualidade e podem eliminar partículas em contato com qualquer substância.


ABAIXO UMA PESQUISA QUE MOSTRA QUE A PRATA PODE SIM SER ARMAZENADA EM PLÁSTICO PET FARMACÊUTICO ADEQUADO.
Eu encontrei isso para o debate vidro X plástico:
Prata em recipientes de vidro X plástico por David A. Revelli, MS


INTRODUÇÃO
Uma grande dose de controvérsia surgiu no mercado sobre a questão de saber se é melhor armazenar soluções de prata em vidro versus recipientes de plástico.
Há um equívoco que prevaleceu no mercado de que o vidro é melhor. A ideia de que os recipientes de vidro são melhores para armazenar produtos que contenham prata nunca foi provada cientificamente. “NUNCA FOI PROVADA CIENTIFICAMENTE”De fato, foi relatado em outros estudos que o vidro pode ter um efeito prejudicial sobre os produtos de prata.

TRABALHO TESTE
Eu tenho conduzido estudos biológicos por 3 anos, no laboratório de uma grande instituição privada, sobre o uso de produtos de prata para matar e inibir o crescimento de bactérias. Eu conduzi milhares de testes em várias cepas de bactérias patogênicas.
Nos testes que concluí, usei tanto o vidro (tubos de ensaio de vidro de 5 ml) como o plástico (tubos de ensaio de plástico de polipropileno Falcon de 5 ml).

Em alguns dos trabalhos de teste, descobrimos que havia uma diferença na quantidade de prata que era necessária para matar as bactérias quando o vidro era usado contra tubos de ensaio de plástico.
Para se certificar de que era o caso, decidiu-se que os testes MIC (Concentração Inibitória Mínima) deviam ser replicados por mais de uma pessoa e uma comparação direta foi feita. Os testes MIC foram realizados em triplicata em tubos de ensaio de vidro de 13X100 mm de 5 ml e 5 ml de tubos de ensaio de plástico de polipropileno Falcon.

Os resultados dos testes bacterianos (MIC) mostraram que o Staphylococcus aureus foi inibido em 2,5 ppm quando o teste MIC foi realizado nos tubos de ensaio de plástico. S. aureus foi inibido a 5 ppm quando o teste MIC foi realizado em tubos de ensaio de vidro.

OBSERVAÇÃO

Isto sugeriu que o material com o qual os tubos de ensaio foram feitos, especificamente vidro ou plástico, pode ter efetuado os resultados do teste MIC. Numerosos outros testes também foram completados usando concentrações maiores de bactéria e nesses testes foi descoberto que não houve diferença significativa entre os tubos de ensaio de vidro versus tubos de ensaio de plástico. Os resultados dos testes bacterianos (MIC) mostraram que o Staphylococcus aureus foi inibido em 2,5 ppm quando o teste MIC foi realizado nos tubos de ensaio de plástico. S. aureus foi inibido a 5 ppm quando o teste MIC foi realizado em tubos de ensaio de vidro. Isto sugeriu que o material com o qual os tubos de ensaio foram feitos, especificamente vidro ou plástico, pode ter efetuado os resultados do teste MIC.


Numerosos outros testes também foram completados usando concentrações maiores de bactéria e nesses testes foi descoberto que não houve diferença significativa entre os tubos de ensaio de vidro versus tubos de ensaio de plástico. Os resultados dos testes bacterianos (MIC) mostraram que o Staphylococcus aureus foi inibido em 2,5 ppm quando o teste MIC foi realizado nos tubos de ensaio de plástico. S. aureus foi inibido a 5 ppm quando o teste MIC foi realizado em tubos de ensaio de vidro.

OUTROS ESTUDOS (ADSORÇÃO DA PRATA ANO VIDRO)


Os estudos que realizei não são os únicos testes que mostram que o vidro, em algumas circunstâncias, pode ter um efeito prejudicial nos produtos de prata. Foi observado em outro estudo independente que foi citado por outros pesquisadores que a prata pode ser adsorvida ao vidro (Aderir uma substância líquida ou gasosa à superificie de um sólido, assim como acontece no processo a quente com redutor que a prata iônica adere na superficie do recipiente de vidro) (Chambers, 1960; Thurman, 1989).
Com isto em mente, pode ter sido possível que a prata pudesse ter sido adsorvida à superfície dos tubos de ensaio de vidro reduzindo a concentração de prata disponível interagindo com as bactérias, o que resultou na utilização de uma quantidade maior de prata para matar as bactérias. os tubos de ensaio de vidro foram utilizados.


CONCLUSÃO
No trabalho de teste que concluí, bem como em outros estudos disponíveis, descobriu-se que o vidro pode, em alguns casos, ter um efeito prejudicial sobre os produtos de prata.
Embora possa ser dito que o vidro nem sempre mostrou o efeito prejudicial, também pode ser declarado que não encontramos nenhum problema em usar o plástico em vez do vidro.
Nossos testes, em conclusão com o outro estudo independente disponível (1Chambers et al. E 2Thurman et al.), Sugeririam, por inferência, que os produtos de prata não deveriam ser armazenados em recipientes de vidro que poderiam reduzir a concentração disponível de prata, mas sim em um recipiente de plástico de alta qualidade (COMO O PET FARMACÊUTICO).

Respectivamente, David A. Revelli, MS

References
Chambers, C. a. CP (1960). O comportamento bacteriológico e químico da prata em baixa concentração. Cincinnati, OH, Divisão de Abastecimento de Água e Controle de Poluição, Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar dos EUA.
Thurman, R. a. CG (1989). “Os mecanismos moleculares da desinfecção com íons de cobre e prata de bactérias e vírus.” CRC Critical Reviews in Environmental Control 18 (4): 295-314.

http://www.lifesilver.com/faq.htm ou

https://www.chemicalforums.com/index.php?topic=16282.0
Naturals Brazil