Mês: novembro 2015

COMO CALCULAR A DOSAGEM ADEQUADA PARA INGERIR A PRATA COLOIDAL

Postado em

Para calcular a dose de acordo com peso faça o seguinte cálculo (Dose recomendada pelo FDA para prata coloidal verdadeira de 15 a 20 ppm):

ML ADULTO: Peso adulto = x
X x peso menor que 60 ou maior que 70 = dosagem certa

Exemplo: 5 ml (para manutenção OU DOSAGEM PRETENDIDA CONFORME O CASO) : 70 kg (adulto) = 0,0714
0.0714 x 40kilos (peso da pessoa) + 2,85 ml é a dose adequada

X * O PESO DA PESSOA (COM MENOS DE 60 OU MAIS DE 70 kg = DOSE ADEQUADA

(É uma dosagem aproximada para que não se exceda o recomendado)

NORMA QUE DETERMINA A DOSE DE SEGURANÇA PARA A PRATA COLOIDAL

Prata (CASRN 7440-22-4)
http://www.epa.gov/iris/subst/0099.htm

COMO FAZER O OURO COLOIDAL – ARTIGO II

Postado em Atualizado em

Quer aprender a fazer em casa?

Num laboratório você precisaria de um aquecedor agitar com controle de temperatura que é bem caro, então você pode fazer em casa, mas precisará de cuidado e sua presença constante durante o processo.

Vamos lá?

Material necessário:

– 1 Becker graduado 500ml ou uma jarra temperada

–  2 eletrodos de ouro puro 999 24k  (preferência) ou 1 de cobre (negativo)  e 1 de ouro puro (positivo)

– 1 fonte de 24 a 35 volts com  500mA ou 0,5ampere 

– Vasilhame para por o becker ou jarra em banho-maria 

– Água destilada  ou purificada , zero partículas 500ml

– Cloreto de sódio ou sal de cozinha, NACL (P.A.)

Dilui-se 3 gr em um litro de água destilada e usa-se  30 ml na cuba de 500ml .

– Citrato de sódio (P.A.)

Dilui-se 15 gr em um litro de água destilada e usa-se 10 ml na cuba de 500ml.

Loja na internet que vende (confiável): http://loja.gastronomylab.com/citrato-de-sodio.html

– Peróxido de hidrogênio 35%. (ou 130 vol.)

Dilui-se 1/10 em agua destilada (+-10 vol). Usamos 5 gotas logo no inicio e 5 gotas nos últimos 30 minutos, em cada 500ml. 

Encontra em loja de produtos químicos.

 

PREPARO

– Coloque o becker ou a jarra com a água em um vasilhame que posa ir ao fogo em banho-maria, contendo 500ml de água destilada.

– Espere aquecer entre 70 e 90 graus. Se tiver em 90 graus talvez não precise do Peróxido.

– Coloque os eletrodos submersos como você vê no vídeo, sendo que o de ouro fica no positivo, e ligue a fonte.

– Acrescente a solução diluida de Cloreto de sódio 30ml

– Acrescente a solução diluida de Citrato de Sódio 10 ml

– Acrescente 5 gotas de peróxido de hidrogênio.

– Agitar a solução levemente a cada 10 minutos

– Marque os minutos e vá observando a mudança de cor em tons de vermelho claro até chegar ao

vermelho rubi. Esse é o ponto certo do ouro coloidal. Aproximadamente 2 horas em eletrólise, podendo se estender por mais alguns minutos. O importante é atingir a cor vermelho rubi.

Não fique preocupado, o importante é seguir as medidas acima. Em alguns vídeos e artigos, você pode encontrar pequenas variações de tempo, talvez quantidade e métodos, porém essa é forma correta  usada e comprovada, por quem faz e não oferece riscos.

Se mudar de cor, descarte, se após esfriar mudar de cor ou decantar descarte, isso significa que houve falha em algum momento, podendo ser a qualidade da água, proporção dos sais, temperatura. É normal errar até atingir o ponto certo, por isso não se preocupe, o importante é que você chegará lá.

OURO COLIDAL – ARTIGO I

Postado em

Vamos dar uma atenção ao Ouro Coloidal, pois seu uso vem aumentando e muitas pessoas procurando, então com isso vamos definir e caracterizar para que você não se engane na hora de produzir e comprar, pois o que não falta é gente agindo de má fá com a unica intenção de lucrar em cima de sua boa fé.

O QUE É OURO COLOIDAL? DEFINIÇÃO.

O ouro coloidal são partículas de ouro de tamanho coloidal que vai de 1 a 100 nanômetros produzidas através de um processo eletrolítico ou de eletrólise, onde eletrodos de ouro são presos a uma fonte elétrica e imersos em água destilada ou purificada ( zero partículas), acrescidos de sais específicos e peróxido de hidrogênio numa determinada porcentagem.

Primeiro, coloides são partículas de tamanho ideal para serem ingeridas, pois entram no seu organismo, na dose correta saem sem serem retidas e não entram no núcleo celular.

Segundo, o uso da água sem partículas é essencial para que não haja nenhuma alteração na sua solução coloidal e nem produção de outros sais ou decantação.

Terceiro, os sais são necessários porque o ouro puro com água não libera suas partículas nela. As partículas se deslocam de um eletrodo para o ouro, é uma característica do ouro. Com os sais elas saem dos eletrodos e vão para o meio aquoso.

Quarto, a fonte para fazer o ouro deve ter de 24  a 35 voltas, 0,5A (ampere) e se possível corrente continua.

CARACTERÍSTICAS

O ouro coloidal verdadeiro é vermelho RUBI e tem sabor salobro.

Não compre se não for assim, pois não é o verdadeiro ouro coloidal.

Se ele decantar rápido ou mudar de cor, também não se trata do ouro coloidal ou não foi produzido corretamente.

A solução verdadeira não muda de cor e não decanta por meses.

O ouro não possui contra indicação a não ser para pessoas alérgicas ao metal.

USOS

O efeito do ouro coloidal é cumulativo, não é imediato, é necessário tempo para que ele faça o efeito necessário no seu organismo. Os usos para comuns conforme estudos científicos e comprovados são:

–  Reumatismos, artrite e artrose; atua como anti-inflamatório, antipirético aliviando a dor e eliminando as inflamações das articulações e tecidos.

– Regenerador de tecidos, músculos e células nervosas: ajuda na cicatrização e regeneração dos tecidos, memória, tratamento de queimaduras

– Utilizado no tratamento de Parkinson e Alzheimer.

– Na pele adicionado a creme hipoalergênico estimula a produção de colágeno regenerando o tecido epitelial eliminando rugas e suavizando marcas de expressão.

– Utilizado no tratamento de alguns tipos de câncer, pois interfere no processo de alimentação da célula cancerosa levando a morte.

– Insônia.

Uma características que poucos sabem é o sono que ele causa, um sono profundo e reparador, por isso não deve ser tomado durante o dia. Quem diz que deve provavelmente nunca tomou o ouro coloidal. Excelente para quem tem insônia ou distúrbios do sono. Ao acordar você não tem sonolência e passa o dia bem e tranquilo com uma sensação de satisfação e noite bem dormida.

– Ajuda no emagrecimento, não por ser emagrecedor, mas pela característica de tirar a ansiedade pela ação calmante o que, na maioria dos casos de obesidade, o excesso de ingestão alimento é predominante, então sem ansiedade, sem consumo excesso de alimento.

– Melhoras das funções cognitivas conforme estudo: https://www.utopiasilver.com/colloidalgoldstudies/.

DOSAGEM

Se for tomar sempre a noite 4 a 5 horas antes do seu horário de dormir, devido ao sono, adaptando a dose conforme o horário que você começar a sentir os efeitos.

A quantidade em ml vai variar conforme o caso, por isso bom consultar o seu fornecedor, terapeuta ou médico.

BREVE HISTÓRIA

Texto de : http://lqes.iqm.unicamp.br/canal_cientifico/lqes_cultural/lqes_cultural_cultura_quimica9-1.html

Os mais antigos registros sobre o uso medicinal do ouro vêm da Alexandria, Egito. Há 5.000 anos, os egípcios ingeriam ouro para a purificação da mente, corpo e espírito. Os antigos acreditavam que o ouro, no corpo, trabalhava para a estimulação da vida e aumentava o nível de vibração em todos os níveis.

Os Alquimistas de Alexandria desenvolveram um “elixir”, feito de ouro líquido. Acreditavam ser o ouro um metal místico que representou a perfeição da matéria, e que sua presença no corpo poderia estimular, rejuvenescer, além de curar uma série de doenças, bem como restaurar a juventude e a saúde perfeita.

Aproximadamente há 4.500 anos, os egípcios já usavam ouro em odontologia. Arqueólogos modernos têm encontrado notáveis exemplos dos antigos usos do ouro. Hoje, ainda a favor do ouro como material ideal para o trabalho dentário, aproximadamente 13 toneladas desse metal são usadas, a cada ano, para a confecção de coroas, pontes, restaurações e dentaduras. O ouro é ideal para tais aplicações porque é não-tóxico, pode ser facilmente modelado e nunca se desgasta, corrói ou perde o brilho.

Na Roma antiga, pomadas (ungüentos) feitas com ouro eram usadas para o tratamento de úlceras na pele, e, hoje em dia, finas folhas de ouro têm também papel importante no tratamento de úlceras crônicas.

Na Europa medieval, pílulas revestidas de ouro e “águas de ouro” eram extremamente populares. Alquimistas misturavam ouro em pó nas bebidas, para confortar os afetados por dores nas pernas. O uso do ouro em pó para combater dores causadas pela artrite foi passado através dos séculos e, ainda hoje, é usado no tratamento da artrite reumatoide, tendo sua eficácia confirmada por pesquisas da medicina moderna.

Paracelsus: “Gold receives its influence from the Sun”.
(O Ouro recebe sua influência do Sol.)

Durante a Renascença, o grande alquimista, considerado fundador da medicina moderna, Paracelso, desenvolveu vários medicamentos, altamente bem-sucedidos, partindo de minerais metálicos incluindo ouro. Um dos maiores alquimistas/químicos de todos os tempos, fundou a escola de Iatroquímica, a química da medicina, a qual é precursora da farmacologia.


Paracelso – Alquimista e médico suíço (1493-1541).

Nos anos 1900, cirurgiões implantavam peças de ouro de US$ 5 dólares sob a pele próxima a uma junta inflamada, tal como joelho ou cotovelo. Como resultado, a dor, com freqüência, diminuía ou cessava.

Na China, as propriedades reconstituintes do ouro são ainda reconhecidas nas cidades do campo, onde camponeses cozinham o arroz colocando na panela uma moeda de ouro, a fim de ajudar a reabastecer o ouro em seus corpos, e alguns restaurantes chineses utilizam folhas de ouro de 24 quilates em suas preparações.

Ouro coloidal

Se o ouro metálico é dividido em finas partículas (tamanhos atingindo de um a uma centena de bilionésimos do metro, portanto 1-100 nanômetros), e as partículas estão permanentemente suspensas em solução, o mineral torna-se conhecido como ouro coloidal, exibindo, então, novas propriedades, devido à extensa área superficial contendo grande quantidade de ouro.

Após estudar os trabalhos de Paracelso, o renomado químico inglês Michel Faraday preparou o ouro coloidal em estado puro, em 1857, e muitos usos foram encontrados para suas soluções de “ouro ativado”.


Michel Faraday – Físico-químico inglês (1791-1867).

Em 1890, o conceituado bacteriologista alemão, Robert Koch, obteve o Prêmio Nobel, por ter descoberto que compostos feitos com ouro inibiam o crescimento das bactérias que causavam a tuberculose.

No Século 19, o ouro coloidal foi comumente usado nos Estados Unidos no combate ao alcoolismo (então chamado dipsomania, definida como sendo um impulso mórbido e irresistível, que leva a pessoa a ingerir grande quantidade de bebida alcoólica), e hoje ele é usado para reduzir a dependência de álcool, cafeína, nicotina e de carboidratos.

Nos Estados Unidos, desde 1885, o ouro é conhecido por suas capacidades curativas sobre o coração e melhora da circulação sanguínea. Desde 1927 tem sido usado no tratamento de artrite.

Os europeus estão atentos aos benefícios do ouro no sistema e têm adquirido pílulas revestidas de ouro e “águas de ouro” (gold waters) a mais de cem anos.

Em julho de 1935, na revista Clinical, Medicine & Surgery, em artigo intitulado “Coloidal Gold in Inoperable Câncer“, escrito por Edward H. Ochsner e colaboradores, é vista a seguinte afirmação: “Quando a condição é desesperadora, o Ouro Coloidal ajuda a prolongar a vida, tornando-a mais suportável para ambos, paciente e os que estão à sua volta, porque encurta o período terminal de caquexia (estado de abatimento profundo, devido à desnutrição, freqüentemente associada a uma doença crônica) e reduz bastante a dor, o desconforto e a necessidade de ópios (narcóticos), na maioria dos casos”.

Os doutores Nilo Cairo e A. Brinckman são autores do best-seller “Matéria Médica” (São Paulo, Brasil, 19a edição, 1965), no qual o Ouro Coloidal aparece listado como o remédio número um contra a obesidade.


Dr. Nilo Cairo – Homeopata brasileiro (1874-1928).

Usos Modernos

Hoje em dia, os usos do ouro em medicina têm se expandido grandemente. Malhas feitas com finíssimos fios de ouro são usadas em cirurgia para corrigir (“remendar”) vasos sanguíneos, nervos, ossos e membranas. Médicos modernos injetam partículas de ouro microscópicas para ajudar a retardar o câncer de próstata no homem; mulheres com câncer no ovário são tratadas com soluções de ouro. Lasers de vapor de ouro buscam encontrar e destruir células cancerosas, sem causar danos às células vizinhas.

Diariamente, cirurgiões fazem uso de instrumentos de ouro para “iluminar” artérias coronárias e, lasers recobertos com ouro, dão nova vida a pacientes com problemas no coração, e que não podem passar por uma cirurgia.

Um novo composto experimental de ouro bloqueia a replicação do vírus em células infectadas e está sendo testado para o tratamento da AIDS.

O ouro vem se tornando uma ferramenta biomédica importante para cientistas que estudam o por quê de o corpo se comportar de determinada forma, em certos eventos médicos. Anexando um marcador molecular em uma peça de ouro microscópica, cientistas podem seguir seu movimento através do corpo, dado o fato de o ouro ser facilmente visível por um microscópio eletrônico. Podem, assim, observar reações em células individualmente.

Alguns pesquisadores estão colocando ouro no DNA para estudar material genético híbrido em células. Outros o estão usando para determinar como as células respondem às toxinas, calor e stress físico. Por ser ele biologicamente benigno, bioquímicos usam-no para produzir compostos com proteínas, criando novas drogas “salva-vidas”. O ouro tem sido conhecido através dos anos por seu efeito direto sobre as atividades do coração, auxiliando na circulação sanguínea. Beneficia o rejuvenescimento lento dos órgãos, especialmente o cérebro e o sistema digestivo e tem sido usado nos casos de congestão glandular e nervosa e nas falhas de coordenação.

O mecanismo de estabilização da temperatura do corpo é restaurado com ouro, particularmente em casos de calafrios, ondas de calor e suores noturnos.

O ouro coloidal tem um efeito estabilizante e harmonizador sobre todos os níveis do corpo, mente e espírito. É usado para melhorar atitudes mentais e tratar estados de instabilidade mental e emocional como depressão, melancolia, aflição, medo, desespero, angústia frustração, tendências suicidas, transtorno afetivo, memória fraca, concentração fraca, e muitos outros desequilíbrios da mente, corpo e espírito.

O ouro coloidal aumenta a energia e age positivamente sobre a libido. Ele também auxilia nos distúrbios de déficit de atenção.

De acordo com numerosos estudos, o ouro coloidal aumenta a acuidade mental e a habilidade de concentração. Trabalhos recentes apontam um aumento de 20% no Q.I. de pessoas que ingerem diariamente doses de ouro coloidal, por apenas três semanas O ouro coloidal tem sido pensado para fortalecer o funcionamento mental, pelo aumento da condutividade entre terminais nervosos no corpo e sobre a superfície do cérebro.

Outros tratamentos tradicionais incluem, além da artrite, obesidade, úlceras de pele, ferimentos por picada, danos em nervos (neuropatia), desintoxicação, destreza motora, hiperatividade, visão fraca. É também usado para aliviar a debilitação e desnutrição, associadas a doenças crônicas.

As fabulosas propriedades curativas do ouro estão sendo devagar, mas seguramente descobertas. Modernos cientistas e médicos descobriram o que os antigos já sabiam: o ouro é, sem sombra de dúvida, um metal muitíssimo precioso!