Mês: maio 2015

PRATA MATA FUNGOS?

Postado em

SIM!!!

Também mata fungos e que tal saber como prata atua com os fungos?

Você viu nos posts anteriores que não mata os vírus, mas protege a célula impedindo que o vírus se reproduza e infecte a célula e assim seu organismo faz o resto. Você viu que nas bactérias oxida elas e as mata devido a sua carga elétrica . E como os fungos, o que acontece?

Num estudo do Departamento de Microbiologia da Faculdade de Ciências Naturais, Universidade Nacional Kyungpook, 1370 Sankyuk-dong, Puk-ku, Daegu, 702-701, Coréia do Sul, observou-se a atividade da prata coloidal na Candida Albicans. (http://www.sciencepub.net/newyork/ny0603/005_16485ny0603_27_34.pdf)

“Os efeitos antifúngicos de nano-partículas de prata (nano-Ag) e o seu modo de ação foram investigados. A prata mostrou seus efeitos antifúngicos sobre fungos testados com baixos efeitos hemolíticas contra eritrócitos humanos. Para elucidar o modo de ação antifúngica da prata, citometria de fluxo, um ensaio de libertação de glucose, a microscopia eletrônica de transmissão (MET) e a alteração na dinâmica da membrana utilizando 1,6-difenil-1,3,5-hexatrieno (DPH ), como uma sonda de membrana de plasma, foram realizados com Cândida albicans. Os resultados sugerem que a prata pode exercer uma atividade antifúngica por perturbar a estrutura da membrana celular e inibir o processo de gemulação (http://pt.wikipedia.org/wiki/Gemula%C3%A7%C3%A3o) normal devido à destruição da integridade da membrana. O presente estudo indica que a prata tem considerável atividade antifúngica, merecendo uma investigação mais aprofundada para aplicações clínicas.”

Portanto, assim como acontece com as bactéria:

a) Devido à liberação do íon prata na água ou no ar ambiente úmido, ocorre a ação catalítica deste íon destruindo a membrana plasmática das células das bactérias, pela diferença de potencial (eletropotência) entre a parte interna e externa das células.

  1. b) Outra ação do íon prata, no ambiente úmido (água ou ar), está em penetrar na membrana plasmática da célula bacteriana, destruindo seu citoplasma.

O mesmo processo acontece com fungos conforme mostra os estudos citados acima, interferindo na reprodução assexuada dos fungos.

Fontes:

– http://cdn.intechopen.com/pdfs-wm/9727.pdf

–  http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18756112

– http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19473014&usg=ALkJrhjbtoz20eeB3DwS5cz3d5jqG4Mjyg

– http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18769871&usg=ALkJrhhJSKyx-awBPktz7M-MItofykA5Gg

– https://books.google.com.br/books?id=7Otegtg_HdMC&pg=PA218&lpg=PA218&dq=Antifungal+effect+of+silver+nanoparticles+on+dermatophytes.Kim+KJ,+Sung+WS,+Moon+SK,+Choi+JS,+Kim+JG,+Lee+DG.&source=bl&ots=FjRBdch6eJ&sig=j8n6euIr1hBdTOF4aVdnMyaYULs&hl=pt-BR&sa=X&ei=lGo9VciZEsKfgwSL1YDgDA&ved=0CEcQ6AEwBg#v=onepage&q=Antifungal%20effect%20of%20silver%20nanoparticles%20on%20dermatophytes.Kim%20KJ%2C%20Sung%20WS%2C%20Moon%20SK%2C%20Choi%20JS%2C%20Kim%20JG%2C%20Lee%20DG.&f=false

– http://www.realtrade.com.br/portugues/prodbac/bacte1.html

–  http://www.quimica.ufpb.br/posgrad/dissertacoes/Dissertacao_Suelanio_V_Santana.pdf

PRATA MATA BACTÉRIAS?

Postado em

SIM !!!!

 Como?

 Então vamos entender como acontece, ok?

Vulgarmente falando ou de modo simplificado diz-se que a prata mata as bactérias por asfixia. na verdade, é um processo um pouco mais complexo, onde a prata mata a bactéria por oxidação.

Vamos primeiro entender o que é uma bactéria.

 Bactéria

Bactéria (do grego βακτηριον, bakterion: bastão) é um domínio de micro-organismos unicelulares, procariontes (desprovidos de envoltório nuclear e organelas membranosas), antes também chamados Schizomycetes, pertencentes ao Reino Monera.

As bactérias são geralmente microscópicas ou submicroscópicas (detectáveis apenas com uso de um microscópio eletrônico). Suas dimensões geralmente não excedem poucos micrômetros, podendo variar entre cerca de 0,2 µm, nos micoplasmas, até 30 µm, em algumas espiroquetas. Exceções são as bactérias Epulopiscium fishelsoni isoladas no tubo digestivo de um peixe, com um comprimento compreendido em 0,2 e 0,7 mm e Thiomargarita namibiensis, isolada de sedimentos oceânicos, que atinge até 0,75 mm de comprimento.

Segundo o sistema taxonômico proposto por Robert Whittaker em 1969, constituíam o reino Moneras, juntamente com as chamadas “algas azuis” ou “cianofíceas” – hoje mais corretamente chamadas cianobactérias, .

A classificação (2003) proposta por Thomas Cavalier-Smith reconhece dois domínios:

Prokaryota, compreendendo Archaea e Bacteria;

Eukaryota, que inclui todos os demais organismos, tanto unicelulares quanto pluricelulares.

As bactérias podem ser encontradas na forma isolada ou em colônias. Podem viver na presença de ar (aeróbias), na ausência de ar (anaeróbias) ou, ainda, ser anaeróbias facultativas. Estão entre os organismos mais antigos, com evidência encontrada em rochas de 3,8 bilhões de anos.

Bactérias são os organismos mais bem sucedidos do planeta em relação ao número de indivíduos. A quantidade de bactérias no intestino de uma pessoa é superior ao número total de células humanas no corpo dela, por exemplo.

 Prata ionizada é a eficaz contra as bactérias

A prata é tida como um metal de transição na literatura química, juntamente com o cobre e ouro. Eles são metais que são mais pesados ​​do que a vida dando metais leves, tais como sódio, cálcio, potássio e, ainda mais leve do que os metais pesados ​​tóxicos, como o chumbo, arsênio e mercúrio. Ouro e prata são considerados metais nobres porque tendem a não reagir facilmente para formar compostos. Os metais de transição são conhecidos pelas suas propriedades catalíticas.

Apesar de prata iônico (tal como qualquer composto de prata dissolvido em água) tem muito pouco ou nenhum efeito catalítico, e prata macroscópica tem pouco efeito. Entretanto, a prata muito pó fino torna-se um excelente catalisador de oxidação. Começando com prata atômica ou iônica, os efeitos catalíticos aumentam com o tamanho de partícula até atingir um pico em algum valor, em seguida, cai para um nível muito mais baixo quando as partículas se aproximam do comprimento de onda da luz.

Isso é fácil de explicar, examinando como um catalisador funciona. Cada átomo de prata carregado positivamente irá atrair um átomo ou molécula carregada negativamente. Uma vez que eles tocam, a carga é neutralizada. Se tiver mais do que um átomo carregado positivamente de prata numa partícula, então cada um pode atrair um átomo ou partícula carregada negativamente. Se um grupo de átomos de prata se liga com duas partículas carregadas negativamente, tais como o oxigênio e algo mais, estas duas partículas deixarão eletrostaticamente, repelem-se mutuamente, mas serão trazidos em conjunto e reagem, oxidando a partícula.

Quanto maior for a partícula, os átomos de prata carregados mais positivamente podem atrair oxigênio e outras partículas carregadas negativamente para a superfície. No entanto, se o tamanho de partícula se torna muito grande, então a quantidade de prata escondida no centro da partícula significará que o aumento na massa, que sobe com o cubo do diâmetro, está a aumentar mais rapidamente do que as áreas de superfície ativos, que sobe na praça do diâmetro. O efeito catalítico picos assim em algum tamanho das partículas e diminui em relação à quantidade de prata se o tamanho é aumentado ainda mais.

As bactérias vêm em duas formas – anaeróbio e aeróbio.

No início deste século, foi descoberto pelo Dr. Gram que ele poderia manchar bactérias com uma coloração de Gram especialmente preparado, e que, em boas bactérias gerais manchados, mas as bactérias patogênicas não mancha. Foi descoberto mais tarde que as bactérias patogênicas são carregadas negativamente. As bactérias patogênicas são anaeróbias, e se oxidada vai morrer. Assim, para prevenir a oxidação, elas possuem uma enzima especifica para repelir o oxigênio carregado negativamente. Se esta enzima é desativada de modo a que eles perdem esta capacidade de carregar negativamente, ou, se o oxigênio é fornecido sob uma forma tal que é reativo a agentes patogênicos carregados negativamente, tais como água de ozono ou peróxido de hidrogênio, as bactérias irão se oxidar e a reação é, em última instância letal para o agente patogênico.

Segue-se então que as bactérias carregadas negativamente, e de oxigênio carregados negativamente, ambos serão atraídas e se ligarão com partículas de prata. Uma vez que a carga negativa é neutralizada através de uma transferência de elétrons com a partícula de prata cada agora pode facilmente se combinar com o outro, e vai fazê-lo, a oxidação do agente patogênico e destruí-lo.

Especificamente, foi determinado que com as bactérias anaeróbias e vírus de oxigênio reagem com os grupos sulfidrilo (-SH) em torno da superfície e remove o átomo de hidrogênio (convertendo-o em água), de modo que os átomos de enxofre formam uma ligação -RSSR. Isto interfere com proteínas de transporte ou membrana do organismo e vão desativá-los. (5)

Não só, ela pode resultar na oxidação catalítica das bactérias ou outros agentes patogênicos, mas uma vez que quase todos os patógenos são negativamente carregados e a prata é carregada positivamente, a prata e o patógeno são atraídos um pelo outro através de uma atração estática causando interações muito mais rápidas e, distâncias muito maiores do que seria esperado por pura chance de colisão.

No entanto “bactérias aeróbias, aqueles que usam o oxigênio na respiração, não carregam uma carga negativa. Isso permite que as bactérias boas atraim o oxigênio de que necessitam para respirar. Seria de se esperar que as bactérias aeróbias não fossem mortas pela prata.

No entanto, exames realizados na Universidade de Tennessee sob os nossos sentidos mostrou que a prata coloidal também é bastante eficaz em matar bactérias aeróbias. O método pelo qual as bactérias aeróbias são mortos ainda está sob investigação.

Foi previamente pensado que a razão que a prata coloidal não afeta as boas bactérias no intestino foi porque ela não matou bactérias boas. Nós provamos que isso é falso. Outras investigações indicam que a prata coloidal é incapaz de se mover e interagir com as bactérias quando em um gel ou matriz sólida.

Isto em conjunto com o fato de que a maioria, se não todos da prata, quando o tamanho da partícula é correto, vai ser absorvido através da mucosa do estômago e para a corrente sanguínea, provavelmente contas para a falta de matar as bactérias boas no intestino.

Importância do Tamanho da partículas

Deve ficar claro agora por coloides de prata são extremamente eficazes na destruição de bactérias patogênicas, mas não afetam as boas bactérias no intestino ou células de mamíferos. No entanto, os relatórios sobre a eficácia de coloides de prata, quando comparado com antibióticos normais, ainda parecem pôr em causa por que a prata é muito mais eficaz, muitas vezes perspectiva de cura em horas, quando poderosos antibióticos pode levar dias ou semanas.

Por  isso a importância de se usar a amperagem correta na produção da prata, para se obter o tamanho correto de coloides para fins terapêuticos.

Há uma série de razões pelas quais a  prata parece ter muito mais eficácia do que os antibióticos normais.

Aqui estão algumas delas:

  1. Prata coloidal é carregado positivamente; a maioria dos antibióticos não carregam uma forte carga positiva. Isso faz com que a prata para buscar praticamente fora e destruir os agentes patogênicos, em vez de simplesmente ter que se deslocar até acontecer de chocar-se com outro. Este efeito é muito apropriadamente referido como o “Silver Bullet” efeito por Beck.

2 Prata mata imediatamente por oxidação do agente patogênico. Os antibióticos não afetam vírus em tudo, e para as bactérias só vai matar as bactérias quando se tenta dividir (tipo penicilina, antibióticos) ou que possa impedir o patogeno da divisão (antibióticos do tipo tetraciclina). No primeiro caso, podem levar as bactérias vários dias antes de tentar dividir; e, no segundo caso, as bactérias não é morto de todo, mas apenas impedido de se replicar. Em ambos os casos, o sistema imunitário deve cuidar da maior parte ou de todos os agentes patogênicos.

Isso mostra que um sistema imunológico debilitado pode interferir na ação do antibiótico normal.

Com a prata, eles são simplesmente mortos imediatamente.

  1. A prata é um catalisador. Assim, logo que uma partícula de prata oxidou um agente patogênico, o patógenoperde a sua carga negativa e flutua para longe, e a prata é livre para atacar outro agente patogênico. O antibiótico geralmente liga-se com o agente patogênico e para cada fungo destruído, uma partícula ou molécula do antibiótico é usada acima.

O resultado é que a prata vai geralmente matar muito mais rápido do que um antibiótico. O lado negativo disso é que a alta e rápida taxa de matar pode resultar em reação ou cura crise de Herxheimer . O corpo simplesmente não tem tempo para eliminar a enorme quantidade de toxinas e patógenos mortos que pode resultar de água de prata.

Por isso a importância de uma alimentação alcalinizada e sadia e muito liquido.

Outras terapias que funcionam de forma semelhante, como a água ozonizada são relatadas por causar o mesmo problema. É altamente recomendável nunca dar inicialmente doses terapêuticas altas de prata coloidal para uma pessoa gravemente doente, mas para dar pequenas quantidades inicialmente e trabalhar até doses terapêuticas em um par de dias.Isso permite que a taxa de mortalidade de ser mantida onde o corpo pode eliminar os patógenos mortos e toxinas sem estresse. É claro, beber grandes quantidades de líquidos podem ajudar a eliminar as toxinas e deve ser incentivada.

Outros possíveis efeitos negativos

Como a maioria das pessoas sabe, a prata é usado como ingrediente foto-sensível em quase todos os processos fotográficos. Compostos de prata, quando exposto à luz, muitas vezes resulta na prata ser reduzida para prata atômica ou metálica. Então, na presença de um promotor, qualquer composto de prata que contactam com as partículas de prata também irá sofrer uma reação de redução, o alargamento da partícula de prata.

Enquanto este processo é essencial para a fotografia, que é indesejável na pele de uma pessoa. É considerado por muitos que o motivo que o royalty (reis e rainhas) há muito tempo eram chamados de sangue azul é porque a prata das taças e louças reagiriam com ácidos em suas bebidas e alimentos, então precipitar em sua pele, dando-lhes uma cor azulada.

Sabe-se que o consumo de compostos de prata, tal como nitrato de prata, seguido por exposição à luz solar pode resultar em um ou anilagem envelhecimento da pele, uma condição médica chamada argyria. Como se vê, uma série de produtos químicos que podem aparecer no sangue tornar os desenvolvedores bastante eficazes. A cafeína e taninos são apenas dois deles .

Por isso o FDA alerta em um de seus artigos que 905 dos caos de Argyria são provenientes da ingestão de nitrato de prata a e outros sais. As pessoas de forma irresponsável e sem orientação conhecimento fazem a prata achando ser coloidal, tomam em grandes quantidades durante muito tempo.

Felizmente, a prata coloidal, quando feita pelo processo eletrolítico em água destilada pura, sem quaisquer sais que está sendo adicionado, não produz compostos de prata. Assim, chapeamento de prata de prata coloidal não é possível; as partículas de prata já são reduzidas a prata pura, e são mutuamente repulsa, por causa de suas cargas positivas.

No entanto, se a prata coloidal é feita a partir de sais de prata por redução química, (como os produtos de nível elevado são ppm) vestígios de sais de prata pode permanecer.

Embora a prata metálica seja não-tóxica para os mamíferos, sais de prata são venenosas por causa dos catiões associados, e pode resultar em argyria , ou seja, outros compostos ou sais presentes na água..

Além disso, quando a prata coloidal é feita pelo processo eletrolítico e sal ou sal marinho é adicionado, sais de prata vão ser produzidos, bem. Apesar de, em caso de emergência, seria sábio fazer sua própria água de prata com técnicas previamente dadas pelo Dr. Beck, para uso a longo prazo todos exposição a sais de prata deve ser evitada. Deve-se usar apenas água destilada pura e a prata, compostos de sais aditivados deve-se ser usado somente por pessoas conhecedoras do processo e profissionais habilitados.

O uso de sal de cozinha (cloreto de sódio) irá produzir algum cloreto de prata. Isto é indesejável, e embora a quantidade de cloreto de prata é limitada por esta solubilidade em água fria a 89 PPM (6), isto é ainda uma quantidade significativa de composto de prata comapared com o montante na própria coloide (5 a 10 ppm).

O uso do sal do mar que muitas pessoas recomendam é especialmente preocupante. O sal marinho contém muitos compostos, incluindo vários nitratos e flúor. Muitos dos compostos podem combinar-se com prata para produzir compostos de prata. Especificamente prata pode combinar com nitratos formando um sal de nitrato de prata altamente solúvel e tóxico e com fluoreto de produzir fluoreto de prata altamente solúvel e tóxico. Nitratos com sal marinho pode chegar ao máximo de 20 ppm, e fluoretos são tipicamente 40 ppm (7).

Por conseguinte, a prata coloidal deve ser feita com água destilada pura para evitar a formação de quaisquer compostos de prata tóxicos. Se se deve utilizar um agente acelerador, em seguida, adicionando uma pequena quantidade de prata coloidal previamente produzido é recomendado, sobre a adição de qualquer tipo de sal.

Eficácia versus tamanho de partícula

Várias publicações indicam que para a absorção através da parede do estômago, as partículas devem ser 0,015 micron (15 nm) ou menor. Tradicionalmente, o tamanho de partícula foi determinado por microscopia electrônica. Esta técnica é bastante lento e tedioso, resultando num processo que é tanto lenta e imprecisa. A banda de absorção de coloides de prata aumenta em comprimento de onda, como o tamanho das partículas aumenta. Isto permite uma medição qualitativa sobre as dimensões das partículas em um coloide por utilização de um photospectrometer digitalização. Prata iônico tem uma banda de absorção no UV, e portanto, é praticamente claro. À medida que mais átomos de agregar em uma partícula, a banda de absorção se move da uv para o violeta, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.

Uma vez que a cor de uma substância é o complemento da cor absorvida, a prata coloidal vai passar de claro a muito leve amarelo, ouro, alaranjado, vermelho, azul e verde. (CC) p 65. Os coloides que contêm uma vasta gama de tamanhos podem absorver comprimentos de onda no espectro resultante em castanho e preto. É geralmente aceite que apenas clara de coloides de prata luz ouro possua partículas de tamanho suficientemente pequeno para serem eficazes, e para ser capaz de atingir a corrente sanguínea.

É nesse processo que as bactérias são mortas pela prata ionizada, carregada positivamente pela eletricidade e todos esses detalhes que passam desapercebidos de todos na produção da prata coloidal com água pura e destilada, que muitos não gostam , mas é assim que deve ser, pela configuração da fonte relativo a amperagem para que se possa produzir partículas de tamanho adequado para serem absorvidas para a corrente sanguínea sem danificar as bactérias intestinais, sobre a dosagem e o início do tratamento para que o organismo não se sature de patogênicos mortos, enfim, detalhes importantes que ninguém da importância e nós tentamos chamar sua atenção para eles.

Por isso seja responsável ao fazer e ao usar, pergunte, estude e leia muito.

Fontes:

– http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/35324/geral/terapia-com-prata-torna-bacterias-mil-vezes-mais-sensiveis-a-antibioticos

–  http://news.rice.edu/2012/07/11/ions-not-particles-make-silver-toxic-to-bacteria-3/

– http://www.tetrahedron.org/articles/colloidal_silver/Colloidal_Silver_Research.html

– http://tudosobrebacterias.blogspot.com.br/

PRATA MATA VÍRUS?

Postado em Atualizado em

NÃO!!!!

Não fique chocado, é isso mesmo e ninguém te explicou não é?

A prata coloidal não mata vírus, ela protege a célula aderindo-se a parede dessa célula pela carga magnética que possui e evita que o vírus “entre” e se multiplique, com isso, no período de vida do vírus, ele não conseguirá infectar as células e se multiplicar e seu próprio organismo dará cabo de todos os hospedeiros indesejados.

Os vírus são seres que não possuem células, são constituídos por ácido nucleico que pode ser o DNA ou o RNA, envolvido por um invólucro proteico denominado capsídeo. Possuem cerca de 0,1µm de diâmetro, com dimensões apenas observáveis ao microscópio eletrônico.

Por serem tão pequenos conseguem invadir células, inclusive a de organismos unicelulares, como as bactérias. É parasitando células de outros organismos que os vírus conseguem reproduzir-se.  Por essa razão o mecanismo que atua na eliminação das bactérias e fungos pela prata não é o mesmo dos vírus.

Caso uma bactéria esteja infectada por vírus, ai sim o processo será outro.

Um fator importante no uso da prata para para tratar viroses é  ter um diagnóstico preciso por um médico para saber qual o vírus , o período de incubação e o período de vida dele no seu organismo, pois o tratamento dura exatamente esse tempo.

Entenda, você está contaminado e um exemplo: o vírus X vive 45 dias normalmente em condições favoráveis, então dependendo da gravidade, você tomará X ml por 50 dias pela manhã em jejum associado a uma alimentação que favoreça o fortalecimento do sistema imunológico ou um complexo vitamínico bom.

A prata cumprira a função dela nesse caso e e seu sistema imunológico também, eliminando o parasita.

Saiba que tomar a menos, não surtirá o efeito desejado e tomar a mais também não, pois se tornará uma faca de dois gumes, de um lado não haverá cura e o outro poderá tornar seu sistema imunológico, com o tempo acomodado, pois ao beber não apenas servirá para a virose, mas também para tudo o mais, interferindo na flora e fauna microscópica do seu organismo.

Por isso, que muitos dizem que a prata é ineficiente contra vírus, mas não levam em conta tipo de vírus, tempo de vida e contexto do organismo do individuo, que vai determinar dosagem e tempo de tratamento.

Creio que ninguém tenha lhe explico isso, mas fique ciente, pois é comprovadamente cientifico. Muitos testes em laboratórios feito em Universidades americanas relatam isso, porém é muito pouco divulgado.

Um vídeo simples que fala isso  é:

https://youtu.be/RgSqJdTI_7s

Então essa é a função da prata no caso de viroses, bloquear a contaminação das células e nada mais, entendeu?

Passa a ser, por isso , um tratamento mais demorado e disciplinado.

PANELAS, O METAL OU QUÍMICA NOSSA DE CADA DIA

Postado em

Quem diria que as panelas mal conservadas, desgastadas ou de má qualidade podem ser fonte de doenças, muitas até graves.

Um excelente artigo da página Piauí traz esse assunto muito bem abordado e um alerta para como você usa as suas panelas no dia-a-dia, como as conserva e como você pode estar se intoxicando dia-a-dia lentamente.

Fonte: http://www.piaui.com.br/gastronomia_txt.asp?ID=747

PANELA DE ALUMÍNIO

As panelas de alumínio são as mais comuns e as mais baratas, mas liberam quantidades variáveis de alumínio nos alimentos podendo causar doenças. Diversos estudos têm demonstrado que a intoxicação por alumínio é um fator importante no mal de Alzheimer e de Parkinson, nas Doenças Ósseas e na Hiperatividade Infantil.

Diversos fatores contribuem para a migração do alumínio das panelas para os alimentos, como por exemplo: a acidez ou alcalinidade dos alimentos, a qualidade da liga de alumínio utilizada pela indústria, o tempo de uso do utensílio, o tempo da duração do cozimento dos alimentos, a presença de sal ou açúcar, entre outros. Alimentos como tomate e o café, durante o seu preparo, incorporam uma grande quantidade de alumínio. Pesquisas mostram que a migração do alumínio é maior em panelas de pressão do que em panelas normais ou em fôrmas de bolo. Na limpeza é indicado o uso de bucha macia ao invés de esponjas de aço. Quando o material é polido com as esponjas tipo “bombril”, há remoção da camada de óxido de alumínio, que dificulta a passagem do alumínio para os alimentos.

Além das panelas, existe um aumento da quantidade de alumínio nas bebidas enlatadas e estocadas em recipientes de alumínio, como produtos enlatados, refrigerantes, cervejas e chá. As pessoas que utilizam frequentemente bebidas enlatadas podem estar consumindo quantidades de alumínio consideravelmente elevadas. Outras fontes de alumínio que precisam ser consideradas são: determinados aditivos alimentares, água, fermentos, em conservas de picles e de queijos, entre outras fontes.

PANELA DE INOX

As panelas de inox são muito conhecidas pela sua beleza e resistência. O aço inoxidável, conhecido popularmente como inox, é composto por ferro, cromo e níquel. Sendo a proporção destes metais nos utensílios bastante variável: de 50 a 88% para o ferro, 11 a 30% para o cromo e de zero a 31% para o níquel. Entretanto, vários outros elementos como manganês e cobre, podem estar presentes em pequenas quantidades

As panelas de inox demoram a esquentar, mas também a esfriar. O aconselhável é não escovar a panela com esponja de aço, tipo “bombril”. No polimento forma-se uma camada protetora de óxido que ajuda a impedir que os metais passem para os alimentos. Da mesma forma, não se deve usar cloro ou água com sal na limpeza dessas panelas. As panelas de inox podem liberar pequenas quantidades de ferro e cromo e níquel, que são seus constituintes.

O cromo nas pequenas quantidades em que é liberado pode ter um efeito benéfico à saúde. O ferro é um nutriente que embora benéfico para as pessoas com anemia, em excesso pode trazer problemas a saúde como veremos no item abaixo. O níquel pode causar a exacerbação de alergias, dermatites de contato e asma e diversas outras alergias. Devido a esses problemas é recomendado que pessoas sensíveis ao níquel não utilizem utensílios de inox na cocção e preparo dos alimentos, pois, a migração deste do utensílio para o alimento, apesar de pequena, não é desprezível, ainda mais se considerarmos o efeito acumulativo do consumo diário de alimentos preparados em utensílios de aço inoxidável.

Os principais fatores que afetam a migração desses minerais da superfície da panela são: a acidez dos alimentos, o tempo de cozimento, temperatura, agitação e o teor da água de preparação. A presença de agentes quelantes no alimento, como por exemplo, ácido cítrico e enxofre que está presente em diversos alimentos como, por exemplo, repolho, cebola, brócolis e couve flor podem também aumentar a migração dos minerais para os alimentos.

É importante que antes de usar pela primeira vez uma panela de inox ela seja usada para ferver água, que deverá ser jogada fora, por três vezes.

PANELAS DE FERRO

As panelas de ferro já fazem parte da cultura culinária nacional. São particularmente usadas no preparo da tradicional cozinha mineira. São muito conhecidas no combate a anemia pela liberação de ferro que ocorre durante o cozimento dos alimentos. A utilização de utensílios de ferro na cocção dos alimentos aumenta significantemente a quantidade de ferro e manganês consumida. Guardar alimentos em panela de ferro aumenta consideravelmente o teor de ferro e manganês do alimento o que é ruim do ponto de vista do paladar do alimento e da saúde. Formas de pizza de ferro são interessantes, porque tornam a pizza mais quente e crocante do que as assadas em forma de alumínio, sem que o ferro migre da forma para a pizza.

Iogurte, tomate e outros alimentos ácidos e líquidos, quando preparados ou armazenados em panelas de ferro adquirem um teor elevado de ferro.

O ferro que sai da panela e vai para os alimentos é utilizado pelo organismo como o ferro oriundo de alimentos vegetais.

O uso da panela de ferro pode ser útil para vegetarianos, mulheres em idade fértil que tenham um sangramento menstrual excessivo e crianças.

Entretanto, embora a anemia devida à deficiência do ferro seja conhecida por todos, o excesso de ferro que é menos divulgado é extremamente nocivo à saúde. Diversos estudos associam o excesso de ferro ao aumento da frequência de infarto do miocárdio e derrames. Além disso, é estimado que 1 em cada 200 pessoas apresentem uma doença genética chamada Hemocromatose, que ocorre devido ao acúmulo de taxas altas de ferro no organismo, causando problemas sérios no fígado, no coração e no sistema endócrino como diabetes, impotência e hipotireoidismo.

Vários fatores influenciam na maior liberação de ferro da panela para o alimento: quanto mais ácido o alimento maior a liberação de ferro. O tomate, por exemplo, libera uma grande quantidade de ferro da panela durante o cozimento. O teor de água como o tempo de cocção dos alimentos exerce uma influência direta no acréscimo de ferro ao alimento.

PANELAS DE VIDRO

As panelas de vidro são as únicas que não transferem qualquer resíduo para a comida, sendo ideais do ponto de vista da saúde. Além disso, são lindas e a transparência permite ver o processo de elaboração dos alimentos. A facilidade da limpeza é outro ponto positivo. Os pontos negativos são o preço e fragilidade do material.

Peças de cristal antigas, como por exemplo, taças de vinho, são feitas a partir de uma matéria prima que contém 24 a 32% de óxido de chumbo. Bebidas alcoólicas mantidas nesses recipientes de vidro cristal contendo chumbo apresentam a concentração de chumbo aumentada ao longo do tempo. Atualmente, as taças de cristal não contem mais chumbo.

O vidro tem a seu favor também o fato de ser um material totalmente reciclável.

PANELA DE COBRE

As panelas de cobre, embora muito bonitas e de transmissão rápida e homogênea do calor, são mais úteis como objetos decorativos na cozinha, porque a quantidade de cobre que migra para o alimento, especialmente para os mais ácidos, pode causar uma intoxicação. O excesso de cobre, mesmo em pequenas quantidades, pode produzir náuseas, vômitos e diarreia. Já a ingestão contínua de quantidades maiores de cobre pode causar dano renal, alterações osteoarticulares, dores nas juntas e até lesões cerebrais.

Os utensílios de cobre podem ser utilizados se tiverem a superfície interna revestida com politetrafluoretileno (PTFE), titânio ou aço inoxidável.

PANELAS DE CERÂMICAS

A panelas de cerâmica sofrem um tratamento térmico em fornos de alta temperatura. Em seguida recebem uma camada fina e contínua de um vidrado, também conhecido com esmalte, que é submetido a queima a 1300ºC, adquirindo um aspecto vítreo. A vitrificação torna a panela com uma superfície mais homogênea, impermeável, sem porosidade, ou seja, a panela fica esteticamente mais bonita e com características que a tornam mais higiênica. Entretanto, é muito importante ter certeza que os corantes utilizados na vitrificação não sejam à base de chumbo ou cádmio. É comum encontrar em países pouco desenvolvidos produtos cerâmicos elaborados com óxido de chumbo na vitrificação. O chumbo é facilmente dissolvido no alimento, especialmente os ácidos. Saladas, frutas ácidas ou fermentados em contato com esse material podem ficar contaminados com componentes pesados como chumbo, mercúrio e cádmio que são altamente tóxicos, sendo que o chumbo causa inclusive diminuição da capacidade mental em crianças. No Brasil, estudo realizado em 1985 demonstrou que 30% das panelas estudadas liberavam chumbo durante o cozimento dos alimentos. Outros estudos encontraram liberação de chumbo em panelas Mexicanas e Italianas.

O forno de micro ondas também aumenta a passagem destes metais tóxicos para o alimento.

Atualmente, existem normas e regulamentações da ANVISA para a confecção de panelas de cerâmica destinadas ao preparo de alimentos.

PANELAS DE TEFLON

O teflon, que é um composto antiaderente é muito utilizado devido a grande praticidade na limpeza e por dispensar o uso de gordura no preparo dos alimentos. É constituído por polímeros de fluorocarbono, especialmente o politetrafluoretileno (PTFE). Atualmente, as panelas mais modernas são revestidas de teflon II que utiliza o primer que é uma substância usada para ligar o teflon ao alumínio. O novo revestimento impede que o material passe para o alimento quando o teflon descasca.

Devido ao teflon, os metais do material que constitui a panela não passam para o alimento enquanto o teflon estiver íntegro.

Altas temperaturas por tempo prolongado podem danificar o teflon, comprometendo a qualidade do revestimento quanto aumentando a chance de ter tanto o PTFE quanto o componente fluoreto transmitido aos alimentos. Além disso, em temperaturas acima de 280ºC o PTFE sofre pirólise e libera, com a degradação térmica, mais de 15 gases tóxicos, que ocasionam a morte de passarinhos e galinhas. Um estudo científico publicou um estudo aonde 5 passarinhos (capsitas) faleceram após o dono ter utilizado sua panela de teflon pela primeira vez por 30 minutos para realização de uma fritura com temperatura elevada. O próprio dono das capsitas passou mal após a primeira hora tendo se recuperado apenas 24 horas depois.

O ácido Perfluorooctanico (PFOA) que também é liberado pelo teflon, é um produto considerado pela “US Environmental Protection Agency” como um possível carcinogênico e capaz de causar malformações congênitas em animais.

As panelas de teflon também liberam quantidades mínimas de benzeno nos alimentos, que não são consideradas tóxicas. Alguns cientistas acreditam que ocorra a formação de aminas heterocíclicas que são compostos cancerígenos.

Uma grande preocupação com as panelas de teflon é a ecológica. Pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, descobriram que o teflon se corrompe quando atinge altas temperaturas no preparo dos alimentos liberando gases CFC, responsáveis pela destruição da camada de ozônio.

PANELAS ESMALTADAS OU DE ÁGATA

As panelas esmaltadas atraem pela beleza, pela variedade de cores e desenhos, mas podem fazer tão mal quanto às de cerâmica vitrificada se o esmalte usado for à base de elementos tóxicos como o chumbo e o cádmio. Isso ocorre principalmente nas panelas feitas antes de 1980. O mesmo ocorre com utensílios pintados à mão, que vão desde colheres, facas, recipientes culinários, entre outros.

Geralmente as panelas de ágata tem boa retenção de calor devido à base de ferro, mas são mais leves devido a menor espessura do ferro utilizado para ser esmaltado. Devido ao esmalte essas panelas são facilmente limpas.

Atualmente existem no mercado panelas esmaltadas que seguem o padrão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para materiais que entram em contato com os alimentos. Essas panelas são seguras, não transferem nenhum elemento tóxico para os alimentos e podem ser usadas para cozinhar e guardar alimentos com segurança.

PANELA DE PEDRA-SABÃO

As panelas de pedra sabão além da beleza são antiaderentes e retem o calor por muito tempo. São muito pesadas.

São feitas de estealito que é uma rocha abundante em Minas Gerais, que já era utilizada na confecção de utensílios culinários pelos índios. Durante o cozimento libera quantidades expressivas de elementos nutricionalmente importantes como cálcio, magnésio, ferro e manganês. As panelas não curadas liberam também uma quantidade importante de níquel. Elas não devem ser usadas para guardar alimentos, porque mesmo quando curadas, liberam níquel nos alimentos que ficam por longos períodos em contato com essas panelas.

A panela é comprada ”crua”, por isso a cor dela é clara, e precisa ser curada com óleo ou gordura antes da utilização. Uma das técnicas de cura mais difundidas consiste em untar a panela com óleo por dentro e por fora, encher o recipiente com água e levar ao forno, na temperatura de 200° por 2 horas. Desligar o forno e aguardar que a panela esteja resfriada para tirar do forno. Repetir o procedimento antes do primeiro uso.

PANELA DE BARRO

A confecção de panelas de barro no Brasil tem uma tradição de 400 anos no Espírito Santo, tendo sido iniciada pelos índios e atualmente produzidas pela população local de forma mais rústica e irregulares. Depois de confeccionadas são queimadas em fogueiras feitas ao ar livre. Ainda quentes são recobertas por tanino que dá a coloração característica da panela.

Não existem estudos sobre a migração de substâncias tóxicas destas panelas para os alimentos. É recomendado curar a panela com óleo quente antes da primeira utilização.

FONTE: http://www.alquimiadacozinha.blogspot.com/  ”

Resumindo, a ideal seria a de vidro, porém a que existia a uns 20 anos atrás seria a Vision, de vidro temperado, porém não se encontra mais no nosso querido país e a que encontramos por revenda custam preços astronômicos.

Também, existem as de Titânio com altos preços, sobrando para nós mortais, as descritas ai em cima que deveriam permanecer intactas por anos, mas não é isso que acontece, por isso, o ideal, já que não sobra alternativa é aprender a usá-las, depositando em nosso belo organismo a vida moderna e intoxicada industrialmente cada dia um pouquinho.

Enfim, conserve suas panelinhas limpas, ao sinal de desgaste troque, as de inox e alumínio use oxidadas internamente, pois o que você acha que é sujeira e tira com Bombril para ficarem belas é uma grande proteção, pois a oxidação forma uma camada protetora que impede que as partículas do metal nosso de cada dia seja liberado no seu alimento.

Ainda há os que falem mal dos coloides, do ouro , da prata e metais usados com responsabilidade e sabedoria, e se envenenam diariamente sem sequer saber para poder questionar. Por isso, reflita sobre tudo que usa e tudo que come e faça boas escolhas, não julgue nenhum recurso para a saúde sem deter o conhecimento ou parâmetros, de preferência científicos para poder pichar um bem tão preciosa como a natureza e o que dela vem.

DICAS DE COMO ESCOLHER A PANELA CERTA PARA CADA TIPO DE RECEITA:
http://semmedida.com/jornal/panela-certa-e-que-faz-comida-boa-conheca-alguns-tipos-e-suas-aplicacoes-na-cozinha/ 

DEFINIÇÕES IMPORTANTES 1 – PRATA COLOIDAL

Postado em

PRATA COLOIDAL : partículas de prata ionizada que vão de 1 nanômetro a 1000 nanômetro ( 1 micrometro). Entram e saem do seu organismo, só havendo retenção se usada em excesso acima de 25 ml dia de 15 a 20 ppm, por longos períodos, segundo EPA e FDA.
A solução coloidal pelo método a frio, sem aquecimento é transparente após concluída. Pelo método a quente é amarela on, sem variação. Usa-se uma fonte adaptada com amperagem aconselha de 0,01 mA para seobter partículas de qualidade mais próximas de 1 nanômetro.
 
 
IONS DE PRATA OU PRATA IÔNICA: Toda partícula de prata ou outra é iônica, ou , ions. Toda partícula de metal carregada de eletricidade é um íon, seja ela coloide, nitrato, nitrito, nano partícula, ok?
Em química um íon resulta de uma molécula ou átomo que ganhou ou perdeu elétrons num processo conhecido como ionização, no nosso caso a eletrólise.
NANO PRATA: Partículas de prata iônica inferiores a 1 nanômetro. Não deve ser ingerida ou usada, pois ultrapassa a membrana celular causando sérios riscos a sude e degeneração do DNA..
ARGYRIA: Pigmentação da pele em tom azul ou cinza devido ao acumulo de partículas de prata. Segundo EPA, 905 dos casos são pessoas que ingeriam sais de prata ao invés de coloide, fazendo errado e tomando por longo período, de forma irresponsável.
Na ingestão de coloide, raros os casos A prata correta é a feita pelo método de 1938, onde se produz a verdadeira prata coloidal. Esse método resume-se simplesmente a fonte adequada, água adequada através de eletrólise sem adição de elementos químicos. Você encontra todas essas informações no BLOG e em nossas postagens anteriores ou no site do FDA e EPA americanos.
PORQUE NÃO LIBERAM A PRATA?

Devido a questões como:
– Impacto no meio ambiente da prata como partículas coloidais, pois ela afeta a flora aquática e os peixes, degenerando-as.
– Até onde pode-se ir com a prata no organismo humano quando ingerida nos diversos biotipos humanos.
– Risco de super exploração do recurso ambiental e economicamente falando também, pois se vocês pesquisarem encontrarão 20 ml de prata na Europa a mais de 100 Euros e não custa isso.
– Como controlar o processo a nível industrial e comercial sem legislação e um consequente monopólio e detenção de tecnologia para produção em larga escala?
Sabemos que cura, mas sabemos que tudo que é produzido acaba caindo no atual mundo em que vivemos em falta de respeito, pois vira produto comercial, passível de falsificação e exploração.
Reflita.

Usos para a prata que talvez você nunca imaginou

Postado em

Vai uma surpresa de uso racional da prata que você talvez nem imagine:

  • Spray de prata coloidal em poças de água parada no quintal, a fim de parar mosquito larva de eclosão.
  • Adicionar prata coloidal para sucos e leite para prolongar vida útil e ajudar a evitar a deterioração precoce, fermentação, deteriorando, clabbering ou gelar. ( 1 a 5ml a 20 ppm em um litro)
  • Adicionar prata coloidal para reservatórios de tanques de água engarrafada, para evitar algas e crescimento bacteriano.
  • Adicionar prata coloidal para shampoos, loções e cremes para dar-lhes qualidades desinfetantes e antimicrobianos. (desde que sejam fórmulas naturais e/ou artesanais e não industrializadas, pois pode haver alteração na química do produto)
  •  Spray de prata coloidal em suas axilas como um substituto dos desodorantes comerciais que são tóxicos e causam várias doenças.
  • Spray de prata coloidal sob pias, armários, ou outros lugares úmidos para ajudar a prevenir e eliminar fungos e mofo.
  • Spray de prata coloidal na roupa sazonal antes do armazenamento para eliminar o odor e bolor.
  • Spray de prata coloidal no carro para eliminar odores.
  • Use a prata coloidal em soluções de pic-água dentários para evitar o acúmulo de bactérias (e ajudar a parar de placa, para arrancar).
  • Use a prata coloidal rotineiramente em sua água de lavanderia de lavagem final, para desinfetar, e para adicionar proteção antimicrobiana de lençóis, fronhas, toalhas, panos de prato, fraldas, etc.
  • Spray de prata coloidal em roupas de caça, antes de uma viagem de caça, para ajudar a eliminar o cheiro humano.
  • Prata coloidal Spray em tigelas de alimentos secos para animais (especialmente no exterior) para ajudar a impedi-lo de moldagem em climas úmidos.
  • Spray de prata coloidal em plantas de casa ou plantas de jardim para ajudar a prevenir o crescimento de parasitas, fungos, bolores, e para ajudar a parar a podridão da raiz e a maioria das doenças de plantas.
  • Spray de prata coloidal no interior da geladeira, e nas caixas de armazenamento de alimentos, para evitar a propagação de fungos e bactérias.
  • Spray de prata coloidal para cama para animais de estimação e permitir que o ar seco, a fim de impedir a propagação de fungos, mofo e germes.
  • Spray de prata coloidal em torno da banheira, de higiene e boxe para evitar germes e evita mofo de crescer.
  • Use a prata coloidal na banheira de hidromassagem no lugar de produtos químicos como cloro ou bromo (1 quarto por semana durante os períodos de uso pesado, ou 1 quarto por duas semanas, durante os períodos de baixo uso).
  • Spray de prata coloidal em cima de frascos abertos de potes de doce, geléia e condimentos, bem como no interior das pálpebras antes de substituir, a fim de evitar o crescimento de bactérias no alimento que fica preso ao redor dos topos de contêineres.
  • Spray de prata coloidal para filtros de ar condicionado após a limpeza, a fim de ajudar a desinfetar e matar patogênicos transportados sobre elas pelo fluxo de ar.
  • Spray de prata coloidal para pendurar toalhas de banho, panos de lavagem e panos de prato e toalhas de secagem para ajudar a prevenir a acidificação e bolor.
  • Spray de prata coloidal em dutos de casa e escritório de ar e aberturas para evitar que se tornem locais de reprodução para germes, fungos e mofo.
  • Spray de prata coloidal em tapetes, cortinas e papel de parede para evitar mofo e bolor e eliminar ovos dos ácaros.
  • Adicionar prata coloidal para beber água quando viajar ou acampar desinfetá-lo e mantê-lo fresco e puro, mais tempo.
  • Adicionar prata coloidal para animal de estimação de água potável para ajudar a prevenir doenças e eliminar infecções. (5 ml por litro)
  • Adicionar prata coloidal para conservas, preservando ou engarrafamento para evitar a contaminação.
  • Spray de prata coloidal em recém-comprado (ou escolhido) frutas e legumes depois de lavá-los, para evitar o crescimento microbiano e mantê-los frescos por mais tempo.
  • Use a prata coloidal em água do banho para ajudar a acalmar a pele com coceira e promover a pele mais clara, com aparência mais jovem.
  • Use a prata coloidal como gargarejo para uma melhor saúde oral.
  • Use a prata coloidal em duchas para ajudar a aliviar odor vaginal.
  • Spray com prata coloidal em colchões, travesseiros e edredons para eliminar fungos e ovos de ácaros, principalmente para quem é alérgico.
  • Solução com prata para lavar a escovas de dente após o uso.
  • Misture um pouco de prata coloidal em água do seu animal de estimação, fontes, bebedouros etc, para evitar a propagação de bactérias e fungos, e manter o seu animal de estimação saudável e livre de infecção. (5ml por litro)
  • Use a prata coloidal em vasos de flores de corte para ajudar a prevenir o crescimento microbiano e manter as flores vivas por mais tempo. (10 ml em 1 litro)
  • Spray de chuveiros e banheiras com prata coloidal, para desinfetar e manter livre de germes.
  • Pulverize ou limpar bocais de telefone, tubo de caules, fones de ouvido, aparelhos auditivos, armações de óculos, escovas de cabelo, pentes, etc., com prata coloidal para evitar a propagação de germes.
  • Leve um pequeno frasco de spray de prata coloidal em sua bolsa quando for  às compras, assim você pode pulverizar carrinho de compras antes de usar.
  • Higienizar locais com queimaduras, acelerando a cicatrização e evitando infecção.
  • Spray de prata coloidal em sua escova de dente depois de cada uso, para ajudar a desinfetá-lo e evitar o crescimento de germes.

Uso de prata coloidal em plantas

Postado em

Uso de prata coloidal em plantas

Crescimento da Planta e prata coloidal

Pulverização folhas com prata coloidal mata pragas e incentiva o crescimento saudável das plantas.

Quando a prata coloidal é usada como fertilizante orgânico e pesticidas, que aumenta a saúde e o crescimento das plantas. Desde o início do século 20, tem sido um antibiótico natural para os seres humanos, mas foi considerado muito caro para usar em plantas. O custo de produção caiu e, no momento da publicação, é mais barato do que usar produtos químicos tradicionais.

1.  A prata coloidal

o    A prata coloidal é um poderoso antibiótico e desinfetante para a fitossanidade humana, animal e. É composto por pequenas partículas de prata metálicas suspensas em água pura. Os íons de prata sufocar patógenos, anexando aos locais respiratórias dessas bactérias. A prata coloidal é um bactericida, fungicida e antiviral, ambientalmente segura. Ele está disponível em lojas de alimentos saudáveis ​​ou online. A compra de um gerador de prata coloidal de baixo custo para a produção em casa é outra opção.

Crescimento da Planta

o       A prata coloidal é usada como um pesticida orgânico para o cultivo de plantas que são mais resistentes a microorganismos nocivos. Ele mata as bactérias, vírus e outros agentes patogénicos que atacam as plantas, e eliminam-se também os parasitas, tais como fungos, larvas e sapsuckers. Controles de prata coloidal bud queda, aumentou a ferrugem, árvore de fruta leaf curl e tomate praga. Imersão das sementes em prata coloidal antes do plantio aumenta a germinação e reduz o crescimento de fungos em brotos.

Aplicação no solo

o         Pequenas quantidades de prata coloidal diluído com água pura pode ser pulverizado em solo no jardim, casa ou com efeito de estufa. A planta absorve as partículas de prata microscópicas que lhe permitem resistir a agentes patogênicos mortais. A prata coloidal é tão eficaz que uma aplicação de luz é suficiente para proteger a planta.Doses mais pesados ​​podem destruir útil, bem como bactérias nocivas.

A aplicação superficial

o        Um spray de luz de prata coloidal sobre as superfícies caule e da folha permite que a planta para absorver os ions de prata que impedem fungos, vírus e bactérias colonizem a superfície exterior. Como um benefício adicional, a prata coloidal não só mata patógenos de plantas, mas também destrói os ovos de insetos, quebrando seu ciclo de vida. Ao contrário de pesticidas químicos que matam todos os bugs, coloidal prata não afeta os insetos maduros, proteger as abelhas, joaninhas e outros insetos úteis. Periodicamente reaplicar prata coloidal quando pragas de insetos depositam os seus ovos ou se o dano planta é visto.

Segurança

o        A pequena quantidade de prata coloidal usado como uma aplicação de spray para as plantas é considerado inofensivo. Comer frutas e legumes pulverizadas com prata coloidal não causa nenhum risco para a saúde. Respirar a fumaça associados com a pulverização também é seguro. A Agência de Proteção Ambiental lista argyria, uma coloração azul-acinzentada da pele, como o único efeito crítico para um ser humano ingerindo uma grande quantidade de prata.

Fonte: http://health2us.com/plants.htm

Mais leitura: https://naturalsbrazil.wordpress.com/2013/05/27/prata-coloidal-uso-em-plantas/